HRW denuncia aumento da violência contra homossexuais no Iraque

Os atos de tortura e as execuções sumárias contra homens suspeitos de ser homossexuais aumentaram no Iraque e as autoridades não fazem nada para prevenir os atos de violência, afirma a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

AFP |

Um relatório de 67 páginas destaca que centenas de homens foram sequestrados, torturados e assassinados este ano no grande bairro pobre xiita de Sadr City, em Bagdá, um reduto do Exército de Mahdi, a milícia do clérigo radical Moqtada al-Sadr.

O informe, com o título "Querem nos exterminar: assassinato, tortura, orientação sexual e gêneros no Iraque", afirma que é impossível conhecer o número exato de mortos, mas que as estimativas são de centenas de vítimas.

O documento afirma ainda que fontes do Exército de Mahdi declararam que a ação militar era um 'remédio' contra a transformação dos homens iraquianos em pessoas "efeminadas".

Também citam uma "ameaça para a virilidade dos iraquianos".

Algumas execuções podem ser consideradas "crimes de honra", já que são cometidas por membros das famílias das vítimas.

Segundo o informe, muitos fugiram para países vizinhos, apesar da homossexualidade também ser punida em Estados como Egito, Jordânia e Líbano.

"Várias milícias no Iraque imaginam que estão aplicando a sharia (lei corânica), mas os assassinatos foram cometidos sem provas nem julgamentos", completa a HRW.

Testemunhas também citam o envolvimento de oficiais das forças de segurança iraquianas nos crimes.

ny-ram/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG