Hospitais de Gaza podem entrar em colapso pelo grande número de feridos

Londres, 6 jan (EFE).- Os hospitais de Gaza estão à beira do colapso devido à contínua chegada de feridos civis, enquanto Israel segue com sua ofensiva militar nesse território palestino densamente povoado, denunciou hoje a ONG britânica Oxfam em comunicado.

EFE |

Dezenas de milhares de famílias palestinas se encontram em uma situação desesperadora, enquanto as baixas civis sobrecarregam o sistema hospitalar, destaca o comunicado, segundo o qual os médicos sofrem com falta de remédios e equipamentos essenciais para atender aos feridos.

Alguns paramédicos morreram por causa dos ataques, e várias clínicas tiveram que fechar por culpa da proximidade com as zonas de combate, segundo o diretor da Oxfam Grã-Bretanha em Jerusalém, John Prideaux-Brune.

"Os hospitais têm também dificuldades para funcionar devido aos contínuos cortes de eletricidade. O combustível utilizado pelos geradores está acabando. Dezenas de pacientes se expõem a uma morte certa se os geradores falharem", acrescenta o funcionário da Oxfam.

Na segunda-feira, os geradores dos ambulatórios subordinados ao ministério da Saúde, os depósitos de vacinas, os laboratórios e outras instalações tiveram que fechar temporariamente, pois o combustível necessário para seu funcionamento tinha acabado.

"Muitas famílias que precisam do básico, como água e alimentos, têm medo demais de sair de casa. Algumas podem se deslocar localmente, mas as condições mudam a cada instante e, assim, em alguns mercados caíram projéteis", explica Prideaux-Brune.

A ofensiva terrestre israelense dividiu em pelo menos duas partes a Faixa de Gaza, com o que foram interrompidos os contatos entre elas e foi bloqueado o transporte de doentes e de provisões médicas.

Segundo o representante da Oxfam, "cada dia que passa sem que se chegue a uma trégua custa a vida de muitos inocentes. Os diplomatas estrangeiros, os Governos e as partes do conflito devem deixar de perder o tempo, atribuindo responsabilidades e antepor os imperativos humanitários aos objetivos políticos".

No comunicado, a Oxfam faz um apelo ao Conselho de Segurança da ONU para que adote uma resolução vinculativa que exija o fim imediato da violência em Gaza por todas as partes em conflito e pede a Israel e ao Hamas para se comprometer com uma trégua imediata, permanente e que inclua tudo. EFE jr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG