Hormônio poderia prever relógio biológico da mulher, diz estudo

Redação Central, 28 abr (EFE) - Médicos holandeses descobriram uma relação entre os níveis do Hormônio Anti-Mülleriano (AMH) no sangue e a menopausa, o que permitirá conhecer com maior exatidão o relógio biológico de uma mulher. A afirmação consta de um estudo realizado por cientistas do Centro Médico da Universidade de Utrecht na Holanda, que será publicado em junho no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. Embora os dados do trabalho ainda precisem ser confirmados, a descoberta permitiria que uma mulher conhecesse sua idade fértil e planejasse suas gravidezes, disse à Agência Efe o médico Jeroen van Disseldorp, co-autor do estudo junto com Frank Broekmans. Agora descobrimos que podemos prever a idade reprodutiva da mulher em nível individual, declarou Van Disseldorp, que afirmou que a margem de erro é de seis meses e o teste a ser feito é um simples exame de sangue. Atualmente, a idade cronológica é a base para medir a fertilidade de uma mulher e se estima que a menopausa pode ocorrer entre os 40 e os 60 anos, com uma média de 51 anos. Segundo o estudo, os níveis de AMH no sangue refletem o número de pequenos folículos nos ovários da mulher, que permitem a reprodução mediante ovulações mensais. O fim da produção destes folículos causaria a menopausa.

EFE |

"Os casais freqüentemente atrasam uma gravidez até depois dos 30 anos, até quando a variação na idade da menopausa e a correspondente variação na fertilidade natural significam que algumas mulheres são estéreis já com 30 anos", disseram Van Disseldorp e Broekmans.

Os cientistas mediram os níveis de AMH em 144 mulheres saudáveis em idade fértil e utilizaram os dados para calcular a média desse hormônio em função da idade.

A informação foi usada para estimar a distribuição da idade da menopausa em uma amostra de 3.384 mulheres entre 50 e 70 anos, o que permitiu aos cientistas desenvolver um modelo baseado nos níveis de AMH e a idade para prever o momento da menopausa em nível individual.

Van Disseldorp disse que os resultados deste estudo devem ser confirmados por investigações posteriores, mas reconheceu que a única maneira de determinar sua total exatidão seria analisar hoje os níveis de AMH em mulheres de entre 25 e 35 anos e esperar que tenham menopausa. EFE ik/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG