Hong Kong registra caso de criança afetada por leite contaminado

Pequim, 21 set (EFE) - O escândalo do leite adulterado com melamina, que até agora causou a morte de quatro bebês na China, ameaça se estender para fora do país após a descoberta do primeiro caso na ex-colônia britânica de Hong Kong. Uma menina de três anos, diagnosticada com cálculos renais, transformou-se neste sábado no primeiro caso fora das fronteiras chinesas - pois Hong Kong foi devolvida ao país em 1997, mas funciona como território estrangeiro para efeitos fronteiriços. O pânico se estendeu em Hong Kong depois que se soube que outra das empresas envolvidas no caso, a Mengniu, era a fornecedora do parque Disneylândia na ex-colônia. No total, 22 empresas, entre elas as mais importantes da China, como Yili (fornecedora dos Jogos Olímpicos de Pequim), Mengniu, Sanlu, Bright Dairy, Suncare e Yashili, estão implicadas na adulteração de leite com melamina. Além disso, as autoridades de Cingapura detectarem melamina - composto utilizado na fabricação de resinas sintéticas que engana os detectores de proteínas e produz cálculos renais - no leite de morango da marca holandesa Dutch Lady, produzido na fábrica chinesa de Tianjin. Por isso, o produto foi retirado de Hong Kong e de Macau. Os salões de beleza de Hong Kong foram obrigados a informar aos clientes sobre a origem de qualquer cosmético ou tratamento derivado do leite. O escândalo disparou o alarme nos países que importam leite chinês, como o Japão, onde as instituições Marudai Food Co., c...

EFE |

Enquanto isso, os casos de crianças com cálculos renais por ingestão de leite adulterado continuam aumentando, apesar de Pequim manter inalterado o número de quatro mortos e 6.244 afetados desde quarta-feira passada.

As autoridades da província de Hebei revelaram hoje que, desde esse dia, o número de crianças doentes na região quadruplicou, e na sexta-feira já eram 5,77 mil os casos conhecidos, valores que fazem o número nacional passar de dez mil.

O subdiretor de Saúde de Hebei, Gao Chunqiu, informou que estima-se que pelo menos 160 mil bebês da província tenham consumido leite adulterado da Sanlu, segundo a agência "China News Service".

Em meio a este novo escândalo sanitário, o primeiro-ministro, Wen Jiabao, ressaltou em um comunicado que sua prioridade agora é a segurança alimentar. EFE mz/fh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG