Hondurenhos protestam e Zelaya acusa EUA um ano após golpe

EUA rejeitam acusação de líder deposto; milhares exigem regresso de Zelaya e estabelecimento de Assembleia Constituinte

EFE |

Milhares de hondurenhos convocados pela Frente Nacional de Resistência Popular lembraram nesta segunda-feira o primeiro aniversário do golpe de Estado que destituiu o ex-presidente Manuel Zelaya , que voltou a acusar o comando sul dos Estados Unidos de responsabilidade no caso.

AFP
Partidários do líder deposto Manuel Zelaya marcham em Tegucigalpa para lembrar primeiro aniversário do golpe
Os manifestantes saíram às ruas das principais cidades de Honduras para exigir o regresso de Zelaya, exilado desde janeiro na República Dominicana, e o estabelecimento de uma Assembleia Constituinte.

Na capital Tegucigalpa, centenas percorreram com total tranquilidade cerca de 10 quilômetros antes de chegar à Plaza de la Merced, no centro histórico da capital, para homenagear o general Francisco Morazán, líder da independência centro-americana.

Diferentemente do que ocorria nas manifestações realizadas sob o governo de fato de Roberto Micheletti, houve apenas a presença das forças da ordem nas ruas.

Somente a Casa Presidencial estava protegida com cordões e policiais antidistúrbios, além de soldados fortemente armados.

"Pedimos o retorno de Zelaya e a convocação de uma Assembleia Constituinte", disse Cindy Melissa Jirón, estudante de Medicina de 20 anos que participou da colorida passeata na qual não faltaram cartazes com fotos de Zelaya e de Che Guevara. Segundo ela, o desejo da população é que seja formado um novo Partido da Resistência, com apoio "do presidente Zelaya".

Gloria Vásquez, que integra juntamente com outros 500 advogados a plataforma da Resistência contra o Golpe, denunciou que, sob o governo de Porfirio Lobo, que se esforça para ser reconhecido pela comunidade internacional, "ainda há perseguição política".

Comissão da Verdade

Com apoio da Frente Nacional de Resistência Popular, a Plataforma de Direitos Humanos de Honduras instalou sua própria Comissão da Verdade para investigar violações após o golpe, em resposta a uma Comissão da Verdade instalada por Lobo, em maio.

"Seremos exigentes na busca dos fatos, justos na definição da verdade, mas implacáveis na denúncia das responsabilidades", disse a coordenadora do Comitê de Familiares de Detidos Desaparecidos em Honduras (Cofadeh), Bertha Oliva, ao instalar a Comissão da Verdade, integrada por dois hondurenhos e oito estrangeiros.

Ela acrescentou que "a Comissão da Verdade não nasce para prender a informação por dez anos nem para depositá-la entre os segredos do estado burguês, explorador, neoliberal e corrupto", em alusão à comissão instalada por Lobo.

Zelaya, que enviou da República Dominicana uma mensagem de solidariedade à Comissão da Verdade, disse nesta segunda-feira em carta aos hondurenhos que o golpe de Estado foi planejado pelo Comando sul dos EUA, na base militar local de Palmerola. "Tudo indica que o golpe foi idealizado na base militar de Palmerola e executado por hondurenhos", disse Zelaya.

AFP
Partidários do líder deposto Manuel Zelaya gritam slogans para soldados hondurenhos durante marcha para lembrar primeiro aniversário de golpe
Os EUA rejeitaram a acusação. A porta-voz do Escritório para o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado americano, Virginia Staab, declarou que Washington disse e repetirá: "O governo dos EUA não tinha conhecimento prévio nem estava envolvido no golpe" de Estado que derrubou Zelaya.

"Escrevo estas palavras para o povo de Honduras um ano depois daquela fatídica madrugada em que a casa onde eu morava com minha família sendo presidente da República foi rodeada pelas forças especiais dos militares", ressaltou Zelaya em sua mensagem, enviada por e-mail.

"Os autores intelectuais desse crime obedecem a uma formação de quadrilha dos velhos falcões de Washington com hondurenhos, proprietários de capitais e seus parceiros de subsidiárias americanas e agências financeiras", acrescentou.

Em sua mensagem à Comissão da Verdade, lida por sua esposa na cerimônia de instalação, Zelaya disse que a Comissão da Verdade e Reconciliação instalada por Lobo "não tem credibilidade" porque é "governista". Acrescentou que não tem autonomia, não é independente, não é profissional nem é integrada por nenhum organismo internacional.

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: hondurasmanuel zelayaporfirio lobo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG