O chanceler hondurenho, Mario Canahuati, anunciou nesta quinta-feira que o presidente Porfirio Lobo participará apenas da cúpula da América Central com a União Europeia (UE) em Madri neste mês, mas não do encontro da América Latina com o bloco europeu, devido à rejeição dos países sul-americanos a seu governo." /

O chanceler hondurenho, Mario Canahuati, anunciou nesta quinta-feira que o presidente Porfirio Lobo participará apenas da cúpula da América Central com a União Europeia (UE) em Madri neste mês, mas não do encontro da América Latina com o bloco europeu, devido à rejeição dos países sul-americanos a seu governo." /

Honduras só participará de cúpula da América Central em Madri

O chanceler hondurenho, Mario Canahuati, anunciou nesta quinta-feira que o presidente Porfirio Lobo participará apenas da cúpula da América Central com a União Europeia (UE) em Madri neste mês, mas não do encontro da América Latina com o bloco europeu, devido à rejeição dos países sul-americanos a seu governo.

AFP |

O chanceler hondurenho, Mario Canahuati, anunciou nesta quinta-feira que o presidente Porfirio Lobo participará apenas da cúpula da América Central com a União Europeia (UE) em Madri neste mês, mas não do encontro da América Latina com o bloco europeu, devido à rejeição dos países sul-americanos a seu governo.

Canahuati disse à emissora de rádio HRN que a última decisão é que Lobo "só estará presente no encontro da América Central" com a UE, depois que diversos governos sul-americanos ameaçaram boicotar a reunião de Madri caso o presidente hondurenho fosse convidado.

A cúpula da América Central e da UE está programada para 19 de maio, um dia depois da reunião da América Latina e com o bloco europeu.

Apenas dois países sul-americanos, Peru e Colômbia, reconheceram o governo de Lobo, que venceu as eleições de novembro passado, realizadas sob o regime de fato que governou por sete meses depois do golpe de Estado de junho de 2009.

O chanceler Canahuati afirmou que na cúpula entre América Central e UE serão analisados "programas que não apenas ajudaram o governo em si, mas as comunidades de todo o país".

Lobo tinha colocado em dúvida sua viagem a Madri na noite de quarta-feira, por conta da rejeição dos países da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

"Se há problemas, não vamos", disse Lobo em coletiva de imprensa, e completou que "haverá tempo" de ir a esse tipo de cúpula.

Estados Unidos, União Europeia e América Central reconheceram o governo de Lobo e normalizaram suas relações com Tegucigalpa depois que ele assumiu o poder, em 27 de janeiro, o que marcou o fim do regime de fato de Roberto Micheletti.

nl/fj/lb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG