Honduras esnoba líder da OEA e cancela visita

TEGUCIGALPA - Os governantes de Honduras esnobaram o chefe da Organização dos Estados Americanos (OEA) neste domingo e cancelaram uma visita para negociações sobre a crise, causada por um golpe em junho.

Reuters |

A OEA, que suspendeu Honduras por conta do golpe, planejava enviar ao país o secretário-geral José Miguel Insulza com um grupo de ministros de relações exteriores na terça-feira.

"A intransigência do secretário-geral em insistir que faça parte da missão... tornou impossível que a visita prosseguisse", disse o ministério do Exterior de Honduras em nota.

Durante uma visita a Honduras dias depois de soldados forçarem o presidente Manuel Zelaya a deixar o país, Insulza pediu que o mandatário voltasse ao cargo e não se encontrou com o líder de facto, Roberto Micheletti.

Reuters
Roberto Michelleti, líder do governo interino após a deposição de Zelaya
Roberto Michelleti, líder do governo interino após a deposição de Zelaya

O grupo que deu o golpe de Estado afirmou estar disposto a remarcar a visita contanto que ela não inclua Insulza, acusado de "não ter objetividade, imparcialidade e profissionalismo".

A OEA é o principal órgão diplomático da região e frequentemente intermedia crises.

Honduras estará na agenda da primeira reunião do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com os líderes dos vizinhos México e Canadá durante encontro no domingo e segunda-feira no México.

Obama cancelou ajuda militar no valor de 16,5 milhões de dólares a Honduras e condenou a remoção de Zelaya, assim como outros governos da América Latina e da União Européia.

De Gustavo Palencia

Leia mais sobre Honduras

    Leia tudo sobre: golpehondurasmanuel zelayaroberto micheletti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG