Dilma nega que Brasil tenha interferido em Honduras " / Dilma nega que Brasil tenha interferido em Honduras " /

Honduras apresenta queixa contra o Brasil no Tribunal de Haia

O governo interino de Honduras apresentou nesta quarta-feira uma queixa contra o Brasil no Tribunal Internacional de Justiça Haia, alegando intervenção em assuntos internos do país. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/10/28/dilma+nega+que+brasil+tenha+interferido+em+honduras+8966916.html target=_topDilma nega que Brasil tenha interferido em Honduras

BBC Brasil |


"O governo se reserva o direito de solicitar à Corte a adoção de medidas cautelares a menos que cessem as atividades ilegais do governo brasileiro, que alteraram a ordem pública em Honduras e que representam uma ameaça ao desenvolvimento pacífico do processo eleitoral do país", disse a nota divulgada pelo ministério das Relações Exteriores do governo interino hondurenho.

Ainda segundo a nota, o governo de fato poderia ainda solicitar uma indenização ao Brasil "por danos causados" pelo fato de o país ter permitido a presença em sua embaixada em Tegucigalpa do presidente deposto, Manuel Zelaya, desde o dia 21 de setembro.

A assessoria de imprensa do Itamaraty disse não ter conhecimento oficial da queixa, mas acredita que "uma solicitação do governo golpista não teria como prosperar por falta de legitimidade. O tribunal da ONU representa apenas governos legítimos".

Estados Unidos

Nesta quarta-feira, o principal representante de Zelaya nas negociações com o governo interino, Manuel Mesa, disse que o diálogo está paralisado.

"Entendo que o diálogo será reativado na medida em que exista disposição para resolver o tema que está pendente, que é precisamente o da restituição de Zelaya", disse ele após encontro com o enviado da Organização dos Estados Americanos (OEA), Victor Rico.

Rico deve encontrar-se ainda nesta quarta-feira com o secretário-assistente para Assuntos do Hemisfério Ocidental dos EUA, Thomas Shannon - nomeado para ser embaixador no Brasil, mas ainda aguardando aprovação do Senado americano.

Shannon e outros dois funcionários do departamento de Estado americano chegaram nesta quarta-feira em Tegucigalpa para uma visita de dois dias na qual vão tentar encontrar uma saída para a crise política do país.

Segundo um porta-voz do Departamento de Estado, Shannon pedirá "flexibilidade" a Zelaya e Micheletti para resolver o impasse, antes das eleições marcadas para 29 de novembro.

Também nesta quarta-feira, a polícia hondurenha denunciou um suposto plano da "esquerda radical" para assassinar e sequestrar empresários e militares do país.

Mas a polícia não relacionou a descoberta aos recentes acontecimentos políticos do país e aos assassinatos recentes de um coronel do Exército hondurenho e de um sobrinho do presidente interino, Roberto Micheletti.

Leia mais sobre Honduras

    Leia tudo sobre: brasilhonduraszelaya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG