Ataque deixou pelo menos 19 mortos; segundo testemunhas, autores do atentado diziam que estuprariam cada mulher que encontrassem

Homens armados com facões atacaram um vilarejo no noroeste da Nigéria na manhã deste domingo, indo de casa em casa e se apresentando como visitas, antes de atirar e esfaquear 19 vítimas até a morte, disseram à agência Associated Press testemunhas e policiais.

O ataque aconteceu no vilarejo de Linguado, no Estado de Zamfara, uma região rural de pastores próximo à fronteira do país com Níger. Cerca de 150 homens cercaram a aldeia e caminharam entre suas casas e quando um dos residentes saiu para cumprimentá-los, foi atingido com um tiro, relatou um dos moradores do local, Husaini Dansadau.

Alguns conseguiram buscar esconderijo em plantações de milho quando o tiroteio começou. Alguns dos autores do ataque gritavam que estuprariam cada mulher que encontrassem, afirmou Ahmad Tsayri Lingyado, outra testemunha. Testemunhas informaram que foram usados rifles Kalashnikov e facões durante o ataque.

Eles roubaram dinheiro e outros itens de valor das casas simples do vilarejo antes de sumirem na escuridão. O atentado deixou pelo menos 19 mortos, informou Sunusi Amiru, um porta-voz da polícia de Zamfara. Outros sete ficaram feridos, incluindo mulheres e crianças.

Amiru afirmou que a polícia agora está vigiando a aldeia. Uma tropa vinda de uma base próxima ao local também entrou na área no domingo, onde ocasionais tiros ainda são ouvidos, segundo testemunhas.

Atos de violência como esse são comuns na Nigéria, um país com 150 milhões de habitantes rico em petróleo. Normalmente, a violência atravessa diferentes grupos étnicos ou religiosos, com base em conflitos políticos ou econômicos.

Autoridades oficiais raramente podem impedir ataques, uma vez que eles ocorrem em regiões longínquas no interior, fora do alcance do limitado poder central do governo.

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.