Sydney - Um muçulmano australiano que escreveu um livro de instruções para cometer atos terroristas foi condenado nesta sexta-feira a 14 anos de prisão pela Corte Suprema da Austrália, informou a agência oficial AAP.

Belal Khazaal, de 39 anos, foi considerado culpado no ano passado, mas até agora não se tinha ditado sentença, pela qual não terá direito a pedir liberdade provisória durante os primeiros nove anos.

O livro, intitulado "Provisões sobre as leis da jihad", recolhe escritos religiosos e dados históricos sobre como derrubar aviões, atacar carros e assassinar líderes políticos.

A obra, de 110 páginas e escrita em árabe, foi distribuída por seu autor através da internet.

Segundo seu advogado, Khazaal não comprovou o conteúdo de todo o material compilado e escrito por outros autores e assegura que publicou o livro sem intenção de incitar o terrorismo.

O muçulmano australiano, de origem libanesa e ex-trabalhador da companhia aérea local Qantas no aeroporto de Sydney, deu pistas em seu guia sobre como acabar com a vida, entre outros, do ex-presidente americano George W. Bush.

Os seguidores do condenado tacharam de injusta a decisão judicial.

Leia mais sobre: prisão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.