Los Angeles (EUA.), 30 out (EFE) - Marc M.

Keyser, detido por enviar cartas contendo falso antraz a veículos de comunicação dos Estados Unidos, foi qualificado de "agitador profissional" com um histórico de tentativas de fraude, e já tinha sido investigado pelo FBI (Polícia federal americana), segundo a imprensa local.

Keyser, de 66 anos, foi detido na noite de quarta-feira pelo FBI e levado a uma prisão de Sacramento, na Califórnia, com três acusações por envio de cartas fraudulentas.

Os pacotes incluíam um CD intitulado "Antraz: susto e surpresa de terror" junto com um pacote de açúcar que continha um pó branco e estava marcado com um símbolo de ameaça biológica e etiquetado com a mensagem "amostra de antraz".

O FBI alertou à imprensa americana da possível chegada, a suas sedes, de mensagens com essas características, depois que Keyser confirmou ter colocado no correio mais de 120 cartas similares. A primeira delas foi entregue na segunda-feira.

A revista "The Atlantic" (Washington DC), o jornal "The Charlotte Observer" (Carolina do Norte), o periódico californiano "The San Diego Union-Tribune" e o escritório do congressista republicano George Radanovich, assim como um canal de televisão local e dois restaurantes deste estado, foram vítimas das cartas de Keyser.

Nenhum dos pacotes analisados pelo FBI continha algum tipo de material perigoso, embora três deles incluíssem o endereço do remetente.

"Ajuda quando você coloca o seu endereço no envelope para casos de devolução", ironizou o agente especial do FBI Steve Dupre, em entrevista ao "San Diego Union-Tribune".

O jornal recebeu a carta na quarta-feira e alertou às forças de segurança depois que um funcionário abriu-a e encontrou a suposta ameaça bioquímica e um CD com a foto do ex-secretário de Estado americano Colin Powell.

Há dez anos, Keyser foi investigado pelas autoridades postais dos EUA depois que enviou quatro mil cartas falsas a locais do norte da Califórnia com a desculpa de chamar a atenção para a epidemia da aids.

Em setembro de 1998, após o incidente, ele foi entrevistado pelo jornal "The Sacramento Bee", que descreveu-o como um "agitador profissional com a paixão de um militante".

Em julho de 2004, Keyser tentou novamente arrecadar fundos para a organização a qual dirigia, Police and Firefighters Auxiliary, com o objetivo de prevenir ataques terroristas com antraz.

O homem é filiado aos grupos Business Terror Watch e Neighborhood Terror Watch. EFE fmx/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.