Homem abre fogo em cidade de NY e mata vários, diz mídia

NOVA YORK (Reuters) - Um homem abriu fogo em um prédio de serviços para imigrantes na cidade de Binghamton, no Estado de Nova York, na sexta-feira, matando uma série de pessoas e fazendo 40 reféns, informou a mídia local. Várias reportagens disseram que quatro pessoas morreram. O diretor de notícias da rádio WNBR disse à CNN que até 13 pessoas podem ter sido mortas, citando fontes da polícia e outras.

Reuters |

Quatro pessoas foram retiradas do prédio da Associação Cívica Americana em macas e levadas para hospitais, informou o jornal Press & Sun-Bulletin em seu site.

Uma equipe policial especial estava no local e o atirador ainda estava dentro do prédio, afirmou o jornal, citando a polícia. A cobertura da televisão mostrou a polícia armada com rifles, alguns portando escudos, disposta ao redor do prédio.

Até 41 pessoas estavam dentro do edifício quando um homem entrou e começou a atirar, disse a rede de televisão WBNG em seu site.

Algumas pessoas escaparam para um porão e mais de uma dezena estava escondida em um armário, disse a WBNG, relatando que os serviços de emergência entraram em contato com as pessoas no interior do prédio.

O prédio da Associação Cívica Americana é usado para o ensino de inglês e para outros serviços a imigrantes recém-chegados aos Estados Unidos que se preparam para obter a cidadania norte-americana, disse Bob Joseph, diretor de notícias da rádio WNBF, em uma entrevista para a CNN.

Ele afirmou que suas fontes descreveram o atirador como um homem asiático ao redor dos 20 anos, e disseram que o atirador pode ter bloqueado a entrada dos fundos do prédio com um carro.

A polícia fechou as ruas vizinhas e uma escola secundária, afirmou a WBNG.

O prefeito de Binghamton, Matthew Ryan, que estava no local, disse que havia uma situação com reféns e que o atirador tinha um rifle poderoso, informou o Press & Sun-Bulletin.

Binghamton fica aproximadamente 240 quilômetros a noroeste da cidade de Nova York, com uma população de cerca de 45 mil pessoas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG