Hispânicos dos EUA se organizam para registrar eleitores

LOS ANGELES (Reuters) - Ativistas hispânicos dos Estados Unidos expuseram na sexta-feira seus planos para registrar 2 milhões de novos eleitores latinos para aumentar a influência do bloco que mais cresce para as eleições presidenciais de novembro. Organizadores representando mais de 100 entidades hispânicas de uma dezena de Estados se encontraram em Los Angeles para promover um esforço para conseguir latino-americanos para se registrarem e votarem nas eleições de 4 de novembro.

Reuters |

O hispânicos são cerca de 9 por cento do eleitorado norte-americano e são o grupo de minorias que mais cresce nos EUA. Eles podem ser um bloco de eleitores crítico em Estados do sudoeste e na Flórida.

Organizadores da iniciativa dizem que ativistas irão procurar registrar eleitores através de visitas nas comunidades, focando em Estados como Colorado, Nevada e Novo México, que segundo eles, têm sido supervisionados tanto pelo republicano John McCain como pelo democrata Barack Obama.

'Os candidatos têm articulado geralmente bem em assuntos que se relacionam aos latino-americanos, mas investiram insuficientemente na nossa comunidade em termos de operações de campanha nos Estados de maior disputa', disse Nativo Lopez, presidente da Associação Política Mexicana-Americana.

Nas últimas semanas, McCain e Obama se dirigiram a diversas organizações de nações hispânicas em sua busca por votos, explicando propostas econômicas e educacionais que eles disseram que irão ajudar os povos latino-americanos assim como renovar planos para revisar as leis de imigração.

Em 2004, o presidente norte-americano, George W. Bush ganhou aproximadamente 40 por cento dos votos hispânicos --um recorde republicano-- vencendo o democrata John Kerry. Mas as pesquisas de opinião mostraram que a imagem dos republicanos entre os latino-americanos tem sido atingida pelo debate sobre uma reforma imigratória.

No último ano, parlamentares republicanos reprovaram uma lei bipartidária no Senado que teria oferecido a vários dos 12 milhões de hispânicos, em sua maioria ilegais, um meio de se tornarem cidadãos. A lei era apoiada tanto por McCain quanto por Obama.

A busca por votos latino-americanos começou no ano passado após centenas de milhares de hispânicos marcharem sobre as ruas de diversas cidade norte-americanas pedindo por uma revisão nas lei imigratórias.

(Reportagem de Syantani Chatterjee)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG