Beirute, 17 jul (EFE).- O chefe do grupo xiita libanês Hisbolá, xeque Hassan Nasrallah, pediu hoje a formação de um Governo de união nacional, mas não exigiu que sua formação faça parte do gabinete.

"Existe a oportunidade para formar um Governo de união nacional (...). Queremos um gabinete de verdadeira participação. O importante é conseguir isso", disse Nasrallah, em uma videoconferência perante milhares de pessoas por ocasião do primeiro aniversário da última troca de prisioneiros entre seu grupo e Israel.

Nasrallah pediu para "cooperar a fim de sair das divisões, já que o Líbano enfrenta vários desafios".

"Não importa se a formação do Governo leva tempo. O Líbano está tranquilo e as pessoas querem calma", disse o líder do grupo xiita.

Nasrallah acrescentou que apoia o diálogo entre todas as forças políticas, tanto da maioria quanto da oposição, e ressaltou que, se o Hisbolá "não estiver presente no Governo, não me incomodo. O importante é formar um gabinete de união nacional".

Por causa das eleições legislativas de 7 de junho, foram abertas consultas no Líbano para formar um novo Governo, e a missão recaiu em 27 de junho em Saad Hariri, filho do ex-primeiro-ministro assassinado Rafik Hariri e líder da maioria parlamentar.

No pleito, a coalizão política na qual estava integrada o grupo político de Hariri, as Forças 14 de Março, obteve 71 dos 128 deputados, enquanto a aliança pró-síria Forças 8 de Março, dominada pelo Hisbolá, obteve 57 cadeiras.

Logo após receber a missão de formar gabinete, Hariri anunciou que criaria um Governo de união nacional. EFE ks/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.