Beirute, 9 mai (EFE).- O Hisbolá acusou hoje o enviado especial da ONU para o Oriente Médio, Terje Roed Larsen, de tentar criar uma imagem negativa da organização perante o mundo, devido às recentes declarações dele sobre atividades clandestinas do grupo xiita.

Em comunicado, o Hisbolá reclamou que Larsen "adota a postura dos sionistas em relação ao Líbano e à Palestina. Suas declarações são uma cobertura dos atos criminosos que o ocupante (Israel) comete" nos dois lugares.

Há dois dias, Roed Larsen expressou em um discurso no Conselho de Segurança da ONU sua preocupação com "a possibilidade de que o Hisbolá esteja envolvido em atividades militantes ilegais e clandestinas fora do território libanês", depois que o Egito anunciou a desarticulação de uma célula do grupo no país.

Além disso, Roed Larsen lembrou que o Hisbolá conta com um poder paramilitar considerável e uma infraestrutura paralela à do Estado libanês, violando a resolução 1.559 do Conselho de Segurança que obriga o desarmamento das milícias libanesas.

O Hisbolá também acusou a ONU de ter "uma fraca reputação, resultado de sua política partidária e do modo com o qual se comporta, e com isso transforma os objetivos para os quais foi fundada, a fim de preservar a estabilidade no mundo". EFE ks-ssa/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.