Hillary vê necessidade de pressão adicional sobre o Irã

Washington, 14 dez (EFE).- A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse hoje que é necessário impor mais sanções ao Irã para que desista de seus esforços nucleares e reconheceu que a estratégia de aproximação de Washington não funcionou.

EFE |

Em entrevista coletiva conjunta com o ministro de Assuntos Exteriores espanhol, Miguel Ángel Moratinos, a chefe da diplomacia americana disse que as preocupações de Washington aumentaram após a descoberta em setembro passado de uma segunda usina de enriquecimento de urânio, na cidade de Qom.

Segundo Teerã, essa usina foi construída para o caso de um ataque contra sua central principal, a de Natanz.

Hillary afirmou que o recente anúncio do Parlamento iraniano de que o país planeja construir entre dez e 20 usinas nucleares deveria "levar a sérias preocupações em todo o mundo".

A secretária lembrou que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ofereceu a Teerã a possibilidade de travar "conversas concretas e sérias".

Esses esforços renderam muito poucos resultados "no que se refere a qualquer tipo de resposta positiva dos iranianos", apontou.

Hillary disse que, dada a situação, será necessário formar uma frente unida contra os iranianos e fazê-los compreender a importância "de mudar suas ações e decisões sobre o programa nuclear".

"E certamente será necessária pressão adicional para fazer isso", afirmou. EFE tb/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG