Hillary lamenta mortes civis em bombardeio dos EUA no Afeganistão

WASHINGTON - A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, expressou nesta quarta-feira seu profundo pesar pela morte de vários civis, no Afeganistão, durante um bombardeio aéreo dos Estados Unidos.

Redação com EFE |


Em declarações durante uma reunião com os presidentes do Afeganistão, Hamid Karzai, e do Paquistão, Asif Zardari, no Departamento de Estado, Hillary assegurou que "qualquer perda de vidas inocentes é particularmente dolorosa".

"Lamentamos profundamente essa perda", afirmou a secretária de Estado americana.

Karzai ordenou que seja investigado o bombardeio, que ocorreu na terça-feira, na província afegã de Farah e que, segundo o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), causou a morte de dezenas de civis.

O incidente complicou a série de reuniões que as autoridades mantêm, nesta quarta e quinta-feira, com representantes de Afeganistão e Paquistão. O objetivo do encontro é fomentar a cooperação entre esses dois países contra o movimento Taleban, em um momento em que o grupo extremista está a apenas 100 quilômetros de Islamabad.

Ameaça

Os membros do Taleban encontraram apoio na região fronteiriça do nordeste paquistanês, onde puderam aproveitar suas fortificações no vale do Swat. O grupo tenta assumir o estratégico vale de Buner, a 97 quilômetros de Islamabad, fato que colocou em alerta as autoridades paquistaneses.

O Paquistão assegurou,  nesta quarta-feira, que mais de 60 extremistas morreram durante bombardeios de suas forças no vale de Swat.

A reação paquistanesa acontece em um momento em que Washington teme que o governo Zardari esteja fazendo muitas concessões ao regime Taleban.

Diplomacia

Em declarações durante a reunião desta quarta-feira, no Departamento de Estado, Hillary afirmou que na série de encontros as três partes estudarão "passos concretos" para escorar a colaboração econômica, agrícola e de segurança.

"Não somos perfeitos, ninguém é, e cometeremos erros, mas é necessário que mantenhamos um diálogo aberto", afirmou a secretária de Estado.

Hillary exigiu também aos presidentes do Paquistão e Afeganistão que contem com as mulheres nas tarefas de seus respectivos países, pois "não é possível conseguir uma prosperidade duradoura" sem elas.

Além disso, a secretária de Estado expressou sua complacência pelo acordo conseguido entre o Afeganistão e o Paquistão para a construção de uma estrada que comunique ambos os países, "um acordo que acarretará prosperidade para os dois", disse.

Já Karzai expressou seu agradecimento pelas desculpas apresentadas por Hillary e assegurou que Afeganistão e Paquistão são "irmãos siameses". E destacou que as vidas ambos os países se veem afetadas mutuamente pelas oportunidades ou falta delas de cada lado da fronteira.

Por sua vez, o presidente paquistanês assegurou que os dois países se encontram "sob a ameaça do perigo" Taleban, mas continuarão enfrentando o "desafio".


Leia mais sobre Taleban

    Leia tudo sobre: taleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG