povão - Mundo - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Hillary e Obama aderem ao estilo povão

Os dois pré-candidatos democratas à presidência dos Estados Unidos estão fazendo uso de um estilo mais informal para cortejar o eleitor médio da Pensilvânia, predominantemente branco e da classe trabalhadora. Em comícios na Pensilvânia, Hillary Clinton, cujo pai é natural de uma cidadezinha do Estado, Scranton, costuma lembrar de sua infância, das idas à Igreja aos domingos e da vez que seu pai a ensinou a atirar.

BBC Brasil |

 

 

A senadora tem feito inúmeras paradas em bares locais, onde toma doses de uísque e saboreia batatas fritas.

A campanha na Pensilvânia também tem levado o senador Barack Obama a mudar sua dieta básica.

Em seu período no Senado, consta que Obama, cioso em manter o físico delgado, era um freqüentador regular da academia local e procurava consumir refeições balanceadas.

Bem distante do candidato que agora encara hambúrgueres com fritas e molha a garganta com copos de Yuengling, a saborosa, porém encorpada, cerveja que é um dos orgulhos locais, criada em 1829, na cidade de Pottsville.

'Amargos'
Os esforços em se mostrar em sintonia com as camadas mais populares da Pensilvânia tiveram de ser intensificados por Obama nas últimas semanas, após comentários feitos por ele.

O Estado conta com um expressivo índice de desemprego, na faixa de 7%. O quadro atual e o declínio econômico vivido na Pensilvânia, segundo o senador, vem contribuindo para que os moradores de cidades do interior se tornem pessoas amargas, que se apegam à religião e às armas.

Hillary Clinton rapidamente aproveitou a gafe do rival para caracterizá-lo como um elitista, que despreza uma fatia importante de seus potenciais eleitores.

A senadora procurou estabelecer contrastes com o rival. Ela contou ter crescido em uma família religiosa e que as pessoas de fé que ela conhece abraçaram a sua crença ''não porque elas sejam amargas'' nem por serem ''materialmente pobres, mas por serem espiritualmente ricas''.

Ela lembrou ainda que os americanos que defendem o porte de armas o fazem porque a Segunda Emenda da Constituição americana lhes garante esse direito e que caçar é algo enraizado na cultura americana.

Alguns moradores locais acreditam que Obama mostrou desconhecer os moradores locais ao fazer seus comentários.

''A guerra (no Iraque) fez com que todos os Estados Unidos se tornassem amargos. Mas nós aqui na Pensilvânia temos mostrado resistência, batalhado para conseguir empregos e para tocar a vida. Barack mostrou desconhecimento'', disse à BBC Brasil Jessica Muniz, que apóia Hillary Clinton, por entender que ela é a candidata mais apta a retirar os soldados americanos do Iraque.

Alheios
Mas muitos moradores da Pensilvânia ficaram alheios à polêmica. É o caso do estudante de ciências políticas Williams Ubi, que vai votar em Obama.''Ele é o mais fantástico orador que eu já vi. É algo eletrizante, nunca vi um político assim.''
Ubi, que é de origem nigeriana, conta que o impacto da candidatura do senador pode ser sentido até internacionalmente.

''Meus primos em Londres e minha família na Nigéria perguntam por ele, falam sobre Obama com entusiasmo.''
O taxista Fredo Nazaire, de origem haitiana, é um correligionário de Hillary que diz gostar de Obama, mas acredita que sua candidata é a mais qualificada para conduzir os Estados Unidos atualmente.

''Ela tem um projeto para fazer com que a economia volte a ser o que era antes e tem mais experiência que Obama.''

Leia mais sobre as eleições nos EUA

Leia tudo sobre: barack obamaeleições nos euaeuahillary clintonobama

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG