Washington, 22 abr (EFE).- A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, afirmou hoje que o avanço dos talibãs representa uma ameaça existencial para o Paquistão, e exigiu a rejeição de uma política que ceda terreno aos terroristas.

Na primeira audiência na Comissão de Assuntos Exteriores da Câmara de Representantes, Hillary expressou preocupação com "a gravidade da ameaça existencial que representa para o Estado do Paquistão os contínuos avanços (dos talibãs)".

Apesar de a secretária americana não ter dado mais detalhes, as autoridades dos Estados Unidos expressaram inquietação com o avanço dos militantes dos talibãs em um distrito muito próximo à capital paquistanesa, ao tentar conseguir um maior controle na região.

A diplomata pediu aos paquistaneses, inclusive às vítimas da diáspora, que "denunciem energicamente uma política que está cedendo mais e mais terreno" a insurgentes que tentam derrubar o Governo.

O Paquistão, um firme aliado americano na região, ocupa um lugar de destaque na luta dos EUA contra a Al Qaeda, e o Governo de Obama busca impedir que o país se torne santuário da rede terrorista.

Na audiência, a chefe da diplomacia americana afirmou que, "sem dúvida", a máxima prioridade do Governo do presidente Barack Obama é "interromper, desmantelar e derrotar as redes terroristas" e evitar que grupos extremistas como a Al Qaeda possam se reinstalar no Afeganistão. EFE mp/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.