Hillary diz que Obama não deve declarar vitória antes do tempo

Por Ellen Wulfhorst MAYSVILLE, EUA (Reuters) - Na segunda-feira, Hillary Clinton fez um alerta para seu adversário de partido Barack Obama, que está prestes a conquistar a vaga democrata nas eleições presidenciais dos EUA: devagar com o andor.

Reuters |

'A disputa está longe de acabar', afirmou a pré-candidata em um comício feito em Maysville (Estado do Kentucky), dando continuidade a seus esforços para concorrer à Casa Branca.

Hillary segue com sua campanha apesar de Obama já se voltar para a eleição geral de novembro, quando enfrentaria o republicano John McCain.

Não obstante a vantagem quase insuperável de Obama em número de delegados eleitos nas prévias do Partido Democrata, que escolhe oficialmente seu candidato em uma convenção marcada para agosto, Hillary rechaçou repetidos apelos para que desista da corrida. A pré-candidata afirma que permanecerá na disputa pelo menos até as últimas prévias democratas, marcadas para 3 de junho.

Hillary aconselhou Obama, senador pelo Estado do Illinois, a não cantar vitória antes do tempo. Os Estados do Kentucky e do Oregon realizam suas prévias na terça-feira.

'Nenhum de nós dois terá o número suficiente de delegados para assegurar a vaga do partido, apesar de eu estar ciente de que meu adversário e seus aliados tentarão argumentar isso', afirmou Hillary, senadora pelo Estado de Nova York.

Obama espera ficar à frente da oponente em número de delegados eleitos, mas ainda assim terá cerca de 75 a menos do que os 2.026 necessários para ficar com a vaga do partido sem a necessidade de obter apoio dos superdelegados -- figuras importantes da legenda que têm a liberdade de votar no pré-candidato que desejarem.

O senador argumenta que os superdelegados ainda indecisos deveriam apoiar o candidato com mais delegados eleitos -- nas últimas semanas, várias dessas autoridades declararam seu apoio a Obama.

Mas Hillary argumenta que os superdelegados deveriam ouvir os argumentos dela de que ela seria um nome melhor para enfrentar McCain nas eleições nacionais e de que suas vitórias em Estados grandes como a Pensilvânia e Ohio conferem-lhe uma base melhor do que a do senador.

Obama marcará a votação de terça-feira com um comício em Iowa, um palco das eleições onde o pré-candidato estreou com uma vitória folgada, no dia 3 de janeiro. Ele afirmou a repórteres no domingo, porém, que não pretende declarar vitória na terça-feira.

NADA DE DECLARAÇÃO

'Isso não significa uma declaração de vitória porque eu não serei o candidato do partido até termos apoio suficiente -- uma combinação de delegados eleitos e de superdelegados', afirmou o pré-candidato.

Hillary disse que não pretende desistir da corrida antes das últimas prévias, marcadas para ocorrerem em Dakota do Sul e em Montana.

'Vou continuar defendendo minhas idéias e vou continuar a fazer isso até que tenhamos um candidato. Mas não teremos um candidato hoje e não teremos um candidato amanhã, e nem depois de amanhã', afirmou a senadora, ex-primeira-dama do país.

'Se o Kentucky comparecer em peso às urnas para votar amanhã, nós estaremos mais perto de escolher o candidato do partido, e isso por causa de vocês', disse.

Obama é favorito para vencer no Oregon ao passo que Hillary deve levar fácil as prévias do Kentucky. Os dois Estados elegerão um total de 103 delegados.

Segundo uma contagem feita pela rede MSNBC, Obama já conquistou 1.901 delegados, contra 1.724 para Hillary. Na segunda-feira, mais três superdelegados declararam apoio a ele, entre os quais o senador Robert Byrd, da Virgínia Ocidental.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG