A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, chegou às 15 horas locais (18 horas de Brasília) deste sábado ao Haiti, na primeira visita de um integrante do alto escalão dos Estados Unidos ao país após o terremoto de terça-feira.

Hillary foi ao Haiti a bordo de um avião que transportava ajuda humanitária. Ela deve supervisionar no terreno os esforços americanos para ajudar o povo haitiano.

A secretária de Estado está acompanhada pelo diretor da Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês), Rajiv Shah.

Ao anunciar a viagem em entrevista coletiva na sexta-feira, Hillary descreveu "a luta contra o tempo" para socorrer os desabrigados.

A secretária de Estado americana deve se reunir com o presidente haitiano, René Préval, e com equipes de socorro, além de visitar a região afetada pelo terremoto.

Hillary aproveitará a curta visita para demonstrar ao povo haitiano o "apoio incondicional de longo prazo" do governo dos EUA para ajudar na reconstrução do país mais pobre das Américas.

A chefe da diplomacia americana deve retornar para Washington levando alguns cidadãos dos EUA que estão no Haiti.

Bush-Clinton por Haiti
O presidente americano, Barack Obama, anunciou neste sábado a criação do fundo Clinton-Bush para o Haiti na intenção de, com a ajuda dos ex-chefes de Estado, organizar a sociedade civil dos Estados Unidos nos esforços humanitários e de reconstrução do país caribenho.
Reuters
Bush, Obama e Clinton na Casa Branca

Bush, Obama e Clinton na Casa Branca

Ao lado dos ex-presidentes Bill Clinton (democrata) e George W. Bush (republicano) nos jardins da Casa Branca, Obama louvou a "extraordinária generosidade" dos EUA em relação ao Haiti e reafirmou o compromisso de seu governo com os esforços de reconstrução, que "será medida em meses e anos".

Após uma reunião de meia hora, Obama disse que Clinton (1993-2001) e Bush (2001-2009) "farão um trabalho extraordinário" ao "aproveitar a incrível generosidade e o espírito positivo do povo americano para ajudar nossos vizinhos em crise".

A tarefa de seus antecessores, explicou Obama, será liderar um esforço nacional para obter doações de pessoas físicas, empresas, ONGs e demais instituições por meio do site "www.clintonbushhaitifund.org".

Essa missão lembra um esforço similar feito após o tsunami de 2004 no Sudeste Asiático, quando George W. Bush recrutou seu pai, o também ex-presidente americano George Bush, e o próprio Clinton para incentivar o setor privado a ajudar.

O terremoto no Haiti é a primeira grande crise humanitária do governo Obama. Segundo a Cruz Vermelha, o número de mortos pode chegar a 50 mil - segundo o Serviço Geológico dos EUA (USGS), todos os terremotos ocorridos no mundo em 2009 mataram 1.783 pessoas.

O dinheiro pedido pelo fundo Clinton-Bush não será destinado apenas para as necessidades imediatas, como água potável, comida, atendimento médico e o estabelecimento de albergues, mas também para as tarefas de reconstrução no longo prazo.

Para Bush, a forma mais eficaz de ajuda é doar dinheiro. "Sei que muita gente quer enviar cobertores e água. Só enviem seu dinheiro", disse Bush, que, ao lado de Clinton, comprometeu-se a "assegurar que seu dinheiro será sabiamente gasto".

Enviado especial das Nações Unidas para o Haiti, Clinton se mostrou pessoalmente afetado pela tragédia já que, segundo ele, tinha se hospedado muitas vezes em hotéis que agora são escombros e conheceu muitas pessoas que morreram no terremoto.

Além do envio de equipamentos militares e médicos e da ajuda humanitária, o governo americano disse que dará o Status de Proteção Temporário (TPS) durante 18 meses para os haitianos que vivem ilegalmente no país.

O TPS é um benefício migratório oferecido por Washington a pessoas que não podem retornar para seu país de origem por conflitos armados e desastres naturais.

Assim, o TPS só será dado aos haitianos que se encontravam nos EUA antes do dia do terremoto e, para não incentivar um êxodo em massa, as autoridades mandarão de volta quem tentar entrar ilegalmente no país.

*Com informações da EFE

Veja também:

Leia mais sobre terremoto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.