Hillary Clinton é anunciada como a nova secretária de Estado americana

WASHINGTON - A senadora e ex-primeira-dama Hillary Clinton, que pretendeu tornar-se a primeira mulher a presidir os Estados Unidos, teve seu nome anunciado nesta segunda-feira como a secretária de Estado do governo Barack Obama.

Redação com agências internacionais |

Advogada, primeira-dama e senadora por Nova York, Hillary Diane Rodham, que adotou o sobrenome do marido, o ex-presidente Bill Clinton, nasceu no dia 26 de outubro de 1947 em Illinois (centro), sendo a mais velha de três irmãos.

Na prestigiada universidade de Yale obteve o título de advogada e conheceu Bill Clinton com quem se casou em 1975. O casal teve uma única filha, Chelsea, hoje de 27 anos que acompanha a mãe nas viagens de campanha.

Brilhante oradora, Hillary Clinton carrega o peso de uma imagem julgada muito fria e altaneira por seus detratores.


Hillary Clinton, ex-rival de Obama, trabalhará ao lado do presidente eleito / Getty

A ex-primeira-dama está acostumada a críticas. A direita não a perdoa pela fracassada tentativa de reformar o sistema de saúde em 1993-94 durante o mandato do marido, e a associa aos escândalos da era Clinton - o caso imobiliário "Whitewater" e o "Travelgate".

Ao mesmo tempo, a senadora por Nova York é uma das mulheres mais admiradas do país, segundo pesquisa Gallup divulgada recentemente. Suas campanhas eleitorais de 2000 e 2006 em Nova York se converteram em ensaio para a disputa da Casa Branca.

Depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington, Hillary foi considerada uma nova-iorquina modelo, incansável.

Em 2002, como integrante do poderoso Comitê de Defesa do Senado, aprovou a resolução autorizando a invasão do Iraque.

Problema "Bill"

A presença de Hillary no gabinete de Obama ganhou mais força depois que seu marido, o ex-presidente americano Bill Clinton, se ofereceu para submeter suas atividades a uma revisão ética e identificar os doadores de sua fundação de caridade caso sua esposa seja nomeada secretária de Estado.

Assessores do presidente eleito Barack Obama e do casal Clinton conversaram por semanas para tentar superar preocupações sobre eventuais conflitos de interesse que podem surgir com a nomeação de Hillary como chefe da diplomacia americana. Dessa maneira, Bill Clinton teria aceitado tornar público todos os nomes de novos doadores de sua fundação e de todos os que contribuíram no passado com ela.

O ex-presidente solicitará a autorização do governo de Obama antes de aceitar compromissos de participação paga em seminários ou futuras doações a sua biblioteca presidencial e sua fundação Clinton Global Initiative. "Clinton quer ser tão transparente quanto deseja a equipe de Obama", afirmou uma fonte.

Leia mais sobre Hillary Clinton

    Leia tudo sobre: hillary clinton

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG