Hillary Clinton diz que é mais difícil ser líder mulher do que homem

A Secretária de Estado mencionou a presidenta Dilma Rousseff em seu discurso durante o evento Women in the World

Carolina Cimenti, de Nova York |

Reuters
A Secretária de Estado americana Hillary Clinton
A Secretária de Estado americana, Hillary Clinton, mencionou diversas mulheres líderes no mundo no seu discurso, inclusive a presidenta brasileira Dilma Rousseff, e depois afirmou que é difícil para qualquer um ser líder, homens ou mulheres, mas que para as mulheres é ainda mais difícil.

“Eu não tenho o menor problema e a menor dúvida ao afirmar isso, é mais difícil para as mulheres”, disse Hillary durante o encerramento do evento Women in the World (Mulheres no Mundo), em Nova York, no sábado.

O evento, que homenageia o Dia Internacional da Mulher , reuniu ativistas políticas e celebridades para discutir situações em que mulheres sofrem violências no mundo, como casamentos forçados, guerras e tráfico humano.

Segundo Clinton, além das mulheres terem que constantemente provar que são capacitadas e talentosas para ocuparem a posição que ocupam, elas ainda são muito mais cobradas pela sua apresentação do que os homens. “Você tem que lidar com o que você realmente é e com todas as expectativas que se criam em torno de você. Mas o que importa de verdade não é cor do seu cabelo ou da sua saia, e sim o que você faz”, afirmou a Secretária de Estado.

Hillary citou diversas mulheres que conheceu nos últimos 20 anos, desde que virou primeira dama, quando seu marido Bill Clinton foi eleito presidente dos EUA, até hoje: a líder do partido da oposição em Burma, Aung San Suu Kyi, a sobrevivente de repetidos estupros realizados por militares no Paquistão, Mukhtaran Bibi, atual fundadora de centenas de escolas para meninas no país, a chanceler alemã Angela Merkel, a presidente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, e a presidenta brasileira entre outras.

Passeata reúne 2 mil pessoas em São Paulo no Dia Internacional da Mulher

E, ao final do seu discurso, a secretaria de Estado lembrou que, mesmo nos EUA, as mulheres ainda são obrigadas a respeitar leis que dizem respeito a elas, e que são, na sua grande maioria, feitas somente por homens.

“Mesmo as leis que dizem respeito à saúde das mulheres, ou seja, como tratar coisas dentro dos nossos próprios corpos, são criadas e decididas por homens”, disse Hillary, referindo-se à atual discussão americana sobre a responsabilidade dos planos de saúde patrocinados pelos empregadores em oferecer cobertura à pílula anticoncepcional.

    Leia tudo sobre: hillarymulheresmês da mulher

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG