Hillary acredita que Índia e Paquistão tenham retomado diálogo

Washington, 17 jun (EFE).- A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, avaliou hoje a reunião entre os líderes da Índia e do Paquistão realizada na Rússia, na terça-feira, como uma retomada do diálogo direto entre os países, depois dos atentados terroristas de Mumbai.

EFE |

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, e o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, se reuniram na cidade russa de Ecaterimburgo, no que foi o primeiro contato depois dos atentados que aconteceram em novembro, em Mumbai, realizados por terroristas islâmicos paquistaneses e que mataram mais de 170 pessoas.

"Consideramos que a Índia e o Paquistão têm uma série de desafios comuns para enfrentar e avaliamos como positivo o diálogo entre eles. O ritmo, o alcance e as características deste diálogo é algo que os líderes têm que decidir em seus próprios termos e tempos", afirmou Hillary, em um discurso diante do conselho empresarial americano-indiano, na Câmara de Comércio dos EUA A chefe da diplomacia americana se mostrou convencida de que a Índia, assim como os EUA, apóia os esforços do Paquistão contra o terrorismo.

Além disso, Hillary disse que quer ampliar "drasticamente" as relações bilaterais com a Índia e passar para outra etapa, assunto que pretende abordar com as autoridades indianas na viagem que fará ao país, em julho.

"Vemos a Índia como um dos poucos membros-chave no mundo que nos ajudará a construir o século XXI", declarou Hillary.

A secretária de Estado afirmou que os dois Governos anteriores, os dos ex-presidentes George W. Bush e Bill Clinton, consideraram a Índia uma prioridade de sua política externa, assim como a Administração de Barack Obama.

"A formação do novo Governo indiano é uma oportunidade para fortalecer nossas relações e lançar novas iniciativas" com o país, dirigido pelo primeiro-ministro Manmohan Singh.

Para ela, o diálogo dos EUA com a Índia é uma boa notícia, embora tenha lembrado que os dois países não mantenham laços sempre "promissórios".

A secretária de Estado explicou que a primeira etapa das relações, que se estendeu até o fim da Guerra Fria, foi caracterizada pela incerteza; enquanto a segunda, impulsionada pelo ex-presidente Clinton, abriu um novo capítulo de aproximação, que Bush continuou a fortalecer, com iniciativas como o acordo de cooperação nuclear.

Este acordo representa um marco para a cooperação econômica e técnica, que permite o Governo de Obama olhar além das preocupações com o programa nuclear indiano, "assunto que dominou a relação bilateral durante boa parte da última década", disse Hillary.

"O acordo nuclear eliminou o último obstáculo para uma cooperação mais ampla entre nós", afirmou.

Atualmente, os dois países estão diante de uma nova etapa, a terceira, na qual "os novos Governos de Washington e Nova Délhi construirão o futuro juntos", acrescentou.

"Minha esperança e a do presidente Obama é que o próximo nível de nossa relação seja uma drástica expansão de nossa agenda comum e uma maior atuação da Índia, na busca de soluções para os desafios globais", afirmou a titular do Departamento de Estado.

Para impulsionar esta nova fase nas relações entre EUA e Índia, Washington reforçará os quatro pilares de cooperação: a segurança global, o desenvolvimento humano, a atividade econômica e a ciência e tecnologia, explicou. EFE cai/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG