Hierarca católico critica deputados por votação sobre aborto no R.Unido

Londres, 22 mai (EFE) - O arcebispo de Birmingham, Vincent Nichols, pediu, através de seu porta-voz, aos católicos e membros de outras confissões religiosas a castigar nas urnas os deputados que votaram a favor de manter o prazo atual de 24 semanas para os abortos legais no Reino Unido.

EFE |

"Pediria a todos os católicos, cristãos e membros de outras confissões que apóiam o valor da vida humana que pensem cuidadosamente antes de dar seu voto nas próximas eleições gerais.

Acho que nenhum membro do Parlamento que votou contra a vida humana merece ser reeleito", disse o porta-voz do arcebispo.

Várias emendas da oposição conservadora que propunham reduzir o prazo para interromper a gravidez a 12, 16 e 20 semanas foram rejeitadas na Câmara dos Comuns na quinta-feira passada para a indignação dos chamados "grupos pró-vida".

Os deputados que defenderam abertamente manter o prazo atual, como a secretária de Estado de Saúde, Dawn Primarolo, terão que enfrentar campanhas organizadas por esses grupos nas próximas eleições, indica hoje o jornal "The Daily Telegraph".

Segundo esses ativistas, alguns ministros, como a titular de Interior, Jacqui Smith, ou a das Comunidades, Hazel Blears, estão também ameaçados por ter votado contra a redução do prazo legal.

A deputada conservadora Nadine Dorries, que esteve à frente da campanha parlamentar a favor da redução, acusou a direção do Partido Trabalhista de pressionar seus parlamentares, mas o primeiro-ministro, Gordon Brown, tinha oferecido liberdade de voto por questões de consciência.

A Igreja Católica da Inglaterra e Gales adotou uma postura cada vez mais beligerante em determinados temas e, assim, pressionou com sucesso contra os planos do Governo de obrigar as escolas religiosas a aceitar mais alunos de outras confissões.

Também causou uma divisão entre os ministros católicos praticantes e o resto do Governo trabalhista por ocasião de uma proposta sobre a adoção de crianças por casais homossexuais.

Enquanto isso, uma coalizão de 12 grupos contrários ao aborto criou uma base de dados na internet para informar os eleitores sobre como os deputados de suas circunscrições votaram, de modo que possam agir nas próximas eleições.

A oposição conservadora pretende voltar à carga no tema da redução dos prazos legais se vencer nesta terça-feira a eleição parcial em Howes e Natwich, um velho reduto trabalhista que, no entanto, o partido governante pode perder. EFE jr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG