Hezbollah quer paz e pede eleições libanesas na data prevista

BEIRUTE - O secretário-geral do grupo xiita libanês Hezbollah, xeque Hassan Nasrallah, reiterou nesta terça-feira seu apoio aos esforços para a reconciliação em seu país e pediu que se realizem eleições legislativas em maio do ano que vem, conforme previsto.

EFE |

"Apoiamos a continuação dos esforços de reconciliação, embora cada um permaneça preso a sua postura", disse Nasrallah em discurso emitido pela rede de televisão Al-Manar, órgão do grupo xiita.

As declarações de Nasrallah são feitas dias depois da segunda rodada do diálogo nacional libanês, iniciado em 16 de setembro e regido pelo presidente Michel Suleiman, em uma nova tentativa de tirar ao país da crise política.

A segunda rodada se centrou na elaboração de uma estratégia para a defesa nacional e na tentativa de definir as relações entre Hezbollah e o Exército libanês. No encontro, foi acordado realizar uma terceira reunião em 22 de dezembro.

"Manter a tranqüilidade serve para o benefício de todos, nos convém que o ambiente político se tranqüilize", seguiu Nasrallah, que considera que para a reconciliação é preciso deixar de encorajar as divergências e de desprestigiar os oponentes.

Segundo ele, "manter a tranqüilidade ajudará na realização das eleições parlamentares em sua data", que embora ainda não tenha sido fixada oficialmente, se espera que seja em maio.

Nasrallah fez referência também à recente vitória do candidato democrata, Barack Obama, nas eleições presidenciais americanos.

"O povo dos EUA, mediante sua votação, julgou o partido Republicano e a Administração de (George W.) Bush (presidente americano) pelo fracasso que teve na política econômica e exterior com suas guerras no Iraque e no Afeganistão, e os ataques contra o Paquistão e Síria", acrescentou. "Os americanos pararam e disseram ao mundo que a política de seu Governo foi um fracasso", assinalou Nasrallah.

    Leia tudo sobre: hezbolah

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG