Hezbollah entrega corpos de soldados israelenses à Cruz Vermelha

O Hezbollah entregou nesta quarta-feira à Cruz Vermelha os corpos dos dois soldados israelenses seqüestrados e levados para o Líbano em 2006, como parte de uma troca de prisioneiros e de restos mortais com Israel, anunciou uma autoridade do movimento xiita libanês. Testes feitos confirmaram que os restos mortais são dos dois soldados Ehud Goldwasser e Eldad Regev.

Redação com agências internacionais |

  • Hamas cancela negociações para libertar soldado de Israel
  • ONU leva restos mortais de milicianos à fronteira do Líbano
  • DNA confirma que corpos são de soldados israelenses

    "Apesar da guerra lançada contra nós (...), entregamos hoje Ehud Goldwasser e Eldad Regev", declarou Wafik Safa diante dos dois caixões.

    O movimento xiita manteve o mistério em torno do destino dos dois militares até o último momento.

    Ambos os caixões, que chegaram em um comboio do Hezbollah a Naqura, cidade localizada na fronteira libanesa, foram entregues ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha, que os levou para seu veículo.

    EFE
    Restos foram entregues em caixões negros
    Os restos de oito combatentes do Hezbollah mortos na guerra de 2006 contra Israel, também foram entregues ao movimento xiita pelo CICR, indicou à AFP um membro do comitê.

    "Os restos de oito combatentes mortos na guerra de 2006 foram entregues aos representantes do Hezbollah", declarou o membro do CICR que solicitou o anonimato.

    Indicou que os restos fazem parte de um total de 200 combatentes libaneses e palestinos que devem ser entregues nesta quarta-feira por Israel como parte da troca de prisioneiros com o Hezbollah, negociado por Gerhard Conrad, mediador alemão designado pela ONU.

    Um primeiro caminhão do CICR com os restos dos combatentes libaneses e palestinos havia cruzado pouco antes a fronteira israelense com o Líbano, constatou um correspondente da AFP.

    Israel também deve libertar cinco libaneses como parte desta troca.

    Ofensiva militar

    A captura dos dois soldados israelenses, no dia 12 de julho de 2006 em território de Israel junto à fronteira libanesa, desencadeou uma ofensiva israelense de 34 dias na qual 1.200 pessoas morreram do lado libanês, em sua maioria civis, e 160 do lado israelense, principalmente soldados.

    EFE/Olivier Fitoussi
    Cruz Vermelha intermedia a troca de presos

    A troca é realizada na fronteira entre Israel e Líbano, entre a cidade libanesa de Naqura e a israelense de Rosh Hanikra.

    Entre os libaneses que serão libertados está Samir Kantar, da Frente para a Libertação da Palestina (FLP), condenado em 1980 a cinco prisões perpétuas e 47 anos adicionais.

    Em 1979, Kantar matou um policial no norte de Israel, seqüestrou um civil israelense que em seguida assassinou também, e por fim matou a filha deste, de três anos.

    Os outros prisioneiros são Jodr Zaidan, Maher Kurani, Mohammad Sorur e Husein Suleiman. Os quatro foram capturados na guerra de 2006.

  • (*Com informações da Efe e AFP

    Leia mais sobre: Hezbollah


      Leia tudo sobre: israel

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG