Hermetismo domina cúpula do Grupo do Rio no México

México, 22 fev (EFE).- A cúpula do Grupo do Rio que ocorre sob forte esquema de segurança e em um hermetismo quase total impede a divulgação de detalhes das reuniões que os cerca de 20 líderes estão mantendo na localidade turística de Praia do Carmen, no Caribe mexicano.

EFE |

Os líderes latino-americanos estão hospedados no luxuoso hotel Grand Velas e os meios de comunicação ficam a cerca de dois quilômetros de distância em outro complexo hoteleiro, no vizinho hotel Princess.

Por determinação dos organizadores, os jornalistas estão proibidos de se aproximar do hotel em que ocorrem as reuniões, e só podem fazer as entrevistas acordadas previamente, momento em que são transferidos em veículos e escoltados pela chancelaria ou da Presidência mexicana.

Ao término das entrevistas, os profissionais são retirados da fortaleza de segurança na qual se transformou a sede do evento, onde estão sendo discutidos importantes temas da agenda latino-americana, como o apoio ao Haiti e a criação de um novo organismo que integre a todos os países da região, com exceção dos EUA e do Canadá.

Da cerimônia de inauguração, por exemplo, somente foi transmitido, por um circuito fechado de televisão, o discurso do presidente do México, Felipe Calderón. Ao final, o sinal foi suspenso e os cinegrafistas e fotógrafos foram retirados do hotel.

EFE jd/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG