Hariri deve liderar governo interino no Líbano

Um dia após renúncia de ministros do Hezbollah, presidente libanês pede que premiê fique no cargo até a formação de novo governo

Reuters |

O presidente libanês pediu a Saad Hariri que permaneça como primeiro-ministro nesta quinta-feira, depois que ministros do Hezbollah e seus aliados renunciaram em uma disputa sobre a investigação do assassinato do pai de Hariri.

AFP
Guarda de honra segura a bandeira libanesa durante visita do príncipe Albert 2º, de Mônaco, a Beirute
O presidente Michel Suleiman pediu em comunicado ao governo para que "mantenha uma capacidade temporária até que um novo governo seja formado". A partir de agora, o presidente consultará os deputados para designar uma pessoa que será encarregada de formar um novo gabinete. As negociações formais com esse objetivo serão iniciadas na segunda-feira.

Hariri se reunia com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em Washington quando sua frágil "unidade" de governo, de 14 meses, desmoronou na quarta-feira. O presidente libanês estava programado para se encontrar com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, nesta quinta-feira.

Onze ministros renunciaram depois que as potências regionais Arábia Saudita e Síria fracassaram em desenvolver um acordo para reduzir as tensões causadas por uma investigação, apoiada pela ONU, sobre o assassinato de Hariri em 2005.

Um promotor público deve enviar um esboço das acusações para um juiz para uma audiência prévia neste mês, e Sayyed Nasrallah, um líder do Hezbollah, disse esperar que membros de seu movimento xiita sejam acusados de envolvimento.

O Hezbollah nega qualquer participação no assassinato e pediu a Hariri que retire o financiamento e a cooperação do Líbano com o tribunal - um pedido que foi rejeitado.

Analistas dizem ser improvável um conflito armado entre o Hezbollah, que tem apoio da Síria e do Irã, e Hariri, apoiado pela Arábia Saudita e os Estados Unidos.

Negociações

De acordo com a Constituição, o presidente do Líbano nomeia o primeiro-ministro para formar um novo governo depois de consultar membros do Parlamento. Não estava claro quanto tempo durariam as consultas.

As autoridades não quiseram dizer se Hariri será solicitado a formar um novo governo ou se outra pessoa seria nomeada. A coalizão de Hariri venceu a eleição parlamentar de 2009. Boutros Harb, parlamentar próximo a Hariri, disse: "Não vejo um governo no país sem Saad Hariri."

*Com AFP

    Leia tudo sobre: Líbanohezbollahhariritribunal da onu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG