Hamas deixará de considerar Abbas como presidente legal da ANP em janeiro

Gaza, 22 set (EFE).- O movimento islâmico Hamas advertiu hoje que em 9 de janeiro deixará de considerar Mahmoud Abbas como presidente legal da Autoridade Nacional Palestina (ANP), ao terminar seus quatro anos de mandato.

EFE |

Apesar do conflito com o movimento nacionalista Fatah, liderado por Abbas, o Hamas reiterou até agora seu respeito pelo líder palestino como vencedor das eleições presidenciais de janeiro de 2005, nas quais os islamitas não participaram.

Antes da vitória do Hamas nas eleições legislativas de janeiro de 2006, o Parlamento palestino aprovou uma emenda à Lei Básica que pede que o próximo pleito legislativo e presidencial ocorram juntos em 2010, apesar de antes terem sido realizados com um ano de diferença.

Após obter a maioria parlamentar com a vitória nas eleições legislativas de 2006, o Hamas anulou a parte da emenda que pede a realização das duas consultas na mesma data.

"Não há nada na Constituição palestina que diga que o presidente tem direito de ampliar seu mandato presidencial por mais um ano.

Segundo a Constituição, o mandato presidencial é de apenas quatro anos", ressaltou hoje o ministro do Interior do Governo do Hamas na Faixa de Gaza, Said Siyam.

Portanto, Siyam pediu que, em janeiro de 2009, Abbas deixe o cargo e convoque eleições presidenciais na Faixa de Gaza e na Cisjordânia.

O ministro acusou também o presidente palestino de ser "totalmente responsável" pela atual situação de "divisão contínua" entre Fatah e Hamas, e lhe pediu que "consiga a unidade palestina antes de deixar o cargo". EFE sar/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG