Haiti se mobiliza para deter cólera, que já matou 140 pessoas no país

Unicef divulgou em comunicado que está realizando avaliações e assessorando os trabalhos de isolamento dos doentes e gestão dos tratamentos

EFE |

O Governo haitiano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) uniram seus esforços para enfrentar o surto de cólera que atinge o Haiti desde o início desta semana e que já vitimou cerca de 140 pessoas.

O objetivo é evitar a expansão da doença, para o que foram tomadas "todas as medidas", segundo assegurou hoje o ministro de Saúde Pública haitiano, Alex Larsen. Apesar de o número de mortos variar entre 118 e 142 de acordo com as fontes locais, a secretária-geral adjunta para Assuntos Humanitários da ONU, Catherine Bragg, indicou que o Governo haitiano informou de 1.500 casos e 138 mortos.

O departamento de Artibonite (norte) e a região de Mirebalais (leste) são os mais afetados pelo surto, embora já haja, segundo a imprensa local, registros em outras zonas, como Saint Michel de l?Attalaye (norte), ilha de La Gonave (costa oeste) e Arcahaie (a cerca de 30 quilômetros ao norte da capital).

Segundo o diretor-geral do ministério da Saúde Pública e de População do Haiti, Gabriel Timothée o tipo da doença registrado no país é o 01, o mais forte. A Unicef divulgou em comunicado que está realizando avaliações e assessorando os trabalhos de isolamento dos doentes e gestão dos tratamentos.

Seis caminhões da instituição saíram na quinta-feira de Porto Príncipe com materiais de ajuda contra o surto de cólera, em carga composta, entre outras coisas, por 2.500 kits de higiene de adultos (cada um pode ser utilizado por cinco pessoas), milhares de sabonetes e 50 mil pastilhas potabilizadoras de água, além de cinco tendas de apoio aos centros sanitários, que já estão sobrecarregados devido ao fluxo de pacientes.

A União de Nações Sul-Americanas (Unasul) decidiu nesta sexta-feira se mobilizar e enviar ajuda humanitária, além de criar um plano regional para evitar a possibilidade de contágio.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG