Haiti planeja realocar 400 mil desabrigados do terremoto

O governo do Haiti planeja abrigar 400 mil sobreviventes do terremoto que atingiu a região da capital do país, Porto Príncipe, no dia 12, anunciaram autoridades haitianas nesta quinta-feira.

iG São Paulo |

O ministro do Interior do país, Paul Antoine Bien-Aime, disse que 100 mil pessoas inicialmente seriam enviadas a dez acampamentos perto do subúrbio de Croix Des Bouquets. Sem dar um cronograma da medida, disse que a realocação começará assim que possível.

Segundo a Comissão Europeia, acredita-se que 2 milhões de pessoas tenham ficado desabrigadas pelo terremoto de 7 graus na escala Ritcher, que deixou estimados 200 mil mortos. Até agora, 80 mil foram enterrados em valas comuns.

Há temores de que mais mortes decorram de ferimentos não tratados e por doenças nos lotados campos improvisados que foram montados no país após a tragédia. Segundo os médicos, muitos sobreviventes ainda não receberam tratamento nove dias depois da tragédia, o que aumenta o risco de que seus ferimentos infeccionem.

Reabertura de porto

Segundo Bien-Aime, ônibus públicos gratuitos já foram enviados para pegar sobreviventes em Porto Príncipe e levá-los ao sul e norte do país, onde acampamentos com tendas com capacidade para acomodar 10 mil pessoas serão eventualmente construídos.

As tendas não funcionarão em maio, quando começa a estação das chuvas, e nem mais tarde, quando começam os furacões, mas agora não há muita opção, disse Vincent Houver, da Organização Internacional de Migração (OIM), com base em Genebra.

Pelo menos 500 mil pessoas vivem atualmente em 447 acampamentos improvisados na capital do país, de acordo com a OIM. Dos 350 acampamentos avaliados pela organização e pelo governo haitiano, apenas 179 improvisaram material de abrigo e tendas, e apenas três têm acesso à água potável.

"Análises têm de ser feitas, e tem de haver discussão sobre melhores métodos de construção e de materiais duráveis", disse Houver.

Com o objetivo de entregar maior quantidade de ajuda, o Exército americano está operando agora em quatro aeroportos na área - Porto Príncipe e Jacmel, no Haiti, e San Isidro e Barahona, na República Dominicana.

A Guarda Costeira dos EUA também reabriu parcialmente o principal porto da capital haitiana, o que deve melhorar a velocidade em que a ajuda é distribuída para as vítimas.

Mortos na ONU

A ONU confirmou nesta quinta-feira que pelo menos 61 funcionários de seus funcionários morreram no terremoto e 180 ainda estão considerados desaparecidos .

*Com informações da BBC

Veja também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haititerremoto no haiti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG