Haiti: candidatos denunciam fraude e querem cancelar eleição

Doze entre os dezoito candidatos à Presidência, incluindo a líder nas pesquisas, pedem o cancelamento do pleito

BBC Brasil |

Doze dos 18 candidatos que disputam a Presidência do Haiti - entre eles, uma das líderes nas pesquisas, a oposicionista Mirlande Manigat - denunciaram fraudes e pediram o cancelamento das eleições deste domingo. Segundo Manigat, as urnas estavam cheias de votos antes mesmo das seções de votação serem abertas.

Já os demais candidatos acusaram o presidente haitiano, René Préval, de favorecer o candidato de seu Partido da União, Jude Celestin. Todos os 12 postulantes endossaram uma declaração conjunta pedindo que seus apoiadores demonstrem indignação com o governo por meio de manifestações.

Antes da eleição, alguns candidatos, incluindo Manigat e o músico Michel "Sweet Micky" ("Doce Micky", em inglês), manifestaram preocupação sobre a possibilidade de fraude. As urnas foram fechadas às 16h locais (19h, pelo horário de Brasília).

Os resultados oficiais são previstos para serem divulgados a partir de 5 de dezembro. Os últimos números devem sair em 20 de dezembro.

Segundo o governo, 4,7 milhões de eleitores estavam registrados para votar. O correspondente da BBC Mark Doyle disse que o início da votação foi lento em várias seções eleitorais - entre elas, um posto localizado no estádio de futebol em Porto Príncipe.

Terremoto e cólera

O pleito deste domingo é o primeiro desde que um terremoto devastou o Haiti em janeiro deste ano, matando mais de 200 mil pessoas. Muitos desabrigados ainda vivem em tendas, boa parte deles na capital, Porto Príncipe.

Além disso, uma epidemia de cólera iniciada em outubro já matou mais de mil pessoas no país. Muitos haitianos culpam a missão da ONU no país (Minustah) de levar a doença, por meio de seus integrantes nepaleses.

Cerca de 11 mil soldados das forças de paz da ONU estão ajudando na segurança e no apoio logístico para a realização do processo eleitoral.

A campanha eleitoral, que geralmente é pacífica e alegre, foi marcada por alguns casos de violência. Pelo menos uma pessoa morreu na última sexta feira, quando atiradores abriram fogo durante um comício de Martelly.

    Leia tudo sobre: haitieleiçõesfraude

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG