Hackers derrubam sites que atuaram contra o WikiLeaks

Grupo de programadores faz operação batizada de PayBack e diz defender mesmos princípios que fundador do polêmico site

André Cardozo, iG São Paulo |

Um grupo de hackers está atuando para tirar do ar sites de instituições que tomaram medidas contra o WikiLeaks. Os hackers do grupo Anonymous definem a ação, chamada de Operation Payback, como uma “campanha contínua contra grupos antipirataria”. Eles argumentam que Julian Assange defende os mesmos princípios do grupo e afirmam que pretendem agir contra qualquer site que prejudique o WikiLeaks. 

O PandaLabs, divisão especializada em ataques online da empresa de segurança Panda, já registrou três ataques movidos pelos hackers do Anonymous. Dois deles foram contra o site de pagamentos online PayPal, que havia suspendido doações para o WikiLeaks. Os ataques deixaram os sistemas do PayPal fora do ar por oito horas na segunda-feira. 

Um terceiro ataque, também na segunda-feira, foi registrado contra o site PostFinance.ch, do banco suíço que cancelou a conta de Julian Assange, criador do Wikileaks. Os sistemas do banco ficaram fora do ar por 11 horas. 

Na batalha entre hackers, o site do Anonymous (http://www.anonops.net/) também foi atacado e está fora do ar. O grupo de hackers informa suas atividades por meio de uma conta no Twitter (http://twitter.com/Anon_Operation). 

'Computadores zumbis'

A técnica de ataque usada pelo Anonymous é conhecida como DDoS (Distributed Denial of Service). Ela consiste basicamente em sobrecarregar sites com acessos de muitos computadores ao mesmo tempo. Como o volume de acessos é muito superior à capacidade dos servidores, os sites saem do ar. 

Além de usar servidores próprios, os hackers usam também “máquinas zumbis” para aumentar a quantidade de computadores envolvidos nos ataques. Os “PCs zumbis” são infectados com vírus que permitem que hackers controlem o sistema operacional da máquina. Os donos dos computadores não sabem que eles estão sendo usados para atacar outros sites.

    Leia tudo sobre: Documentos diplomáticosWikileaksEUAhackers

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG