Gustav Sarah St. Paul

No começo de 2008, o senador McCain estava politicamente morto e 99,9% dos americanos não sabiam quem era Sarah Palin. Você combina os dois com um furacão e parece título de um filme do Woody Allen - Vicky Cristina Barcelona - mas Gustav Sarah St.

BBC Brasil |

Paul jamais teria saído da gaveta. Um roteiro inacreditável.

Sarah Palin? Por que um candidato de 72 anos que está fazendo sua campanha em cima da falta de experiência do adversário escolhe como vice uma candidata desconhecida, com um currículo político inexpressivo de um Estado com uma população menor do que a de Manhattan?
Por enquanto, a melhor explicação é busca do voto das mulheres em geral e, em particular, das que iam votar em Hillary Clinton e não querem votar em Obama.

A base conservadora republicana está eufórica. Além de ser contra o aborto, agovernadora cristã e super conservadora de 44 anos decidiu ter um filho sabendo que o bebê tinha problemas, entre eles a síndrome de Down.

E um complicador ainda mais woodiano. Bristol, a filha da governadora, uma adolescente solteira de 17 anos, está grávida de cinco meses.

Os republicanos tinham cancelado os discursos da primeira noite da convenção em St Paul ainda no sábado, quando surgiu a possibilidade de Nova Orleans estar no caminho do furacão. mas ainda não está claro se Gustav é uma bênção ou maldição política.

Entre as conseqüências, o furacão afastou o presidente Bush, que falaria na noite de abertura da convenção. Quanto mais longe McCain ficar do presidente, o menos popular dos últimos tempos, melhor para o candidato republicano.

Infelizmente, Bush não foi embora com o furacão e deve falar hoje à noite na convenção.

Gustav não destruiu nem matou como Katrina e a operação pré-furacão foi considerada um sucesso, mas não apagou da memória a tragédia de Katrina, a maior mancha doméstica do governo Bush, não só pelo número de mortes - 1.500 - como pela incompetência e indiferença dos governos, principalmente o federal. As comparações dos dois furacões - e as imagens - dominaram o primeiro dia da convenção republicana, reduzida a dois breves discursos de Laura Bush e Cindy McCain.

Cinco horas que seriam usadas para destruir o senador Obama foram dominadas por Gustav e Katrina e por um furacão e a gravidez da filha adolescente de Sarah Palin.

O candidato democrata recebeu mais espaço nas televisões do que o republicano falando sobre Nova Orleans. Quando compararam a falta de experiência dele com a da vice Palin, Obama dissse que a cidade onde ela foi prefeita tinha 15 funcionários e um orçamento de US$ 12 milhões por ano. Neste momento, ele tem 4 mil empregados na campanha e um orçamento mensal de US$ 36 milhões.

Sobre a gravidez da filha de Sarah Palin, o democrata foi fino: trata-se de uma questão de família e não de política, mas a imprensa já tinha repórteres no Alasca, vasculhando a vida da família Palin, de processos a fofocas domésticas.

A maior dúvida é se o senador errou na escolha do vice, a primeira grande decisão como candidato a presidente.

O senador, se for eleito, será o mais velho presidente americano empossado no primeiro mandato (Ronald Reagan era mais velho no segundo mandato, em 88 ). McCain está inteiro, mas já teve problemas de saúde, entre eles três melanomas e cuida mal da dieta. Ele aprecia um cachorro quente frito.

A possibilidade de a sucessora assumir em caso de morte ou doença grave faz parte das considerações mais elementares e, entre as perguntas mais freqüentes dos analistas, está como Sarah Palin se comportaria num tête-à-tête com Putin.

O presidente Bush disse que olhou nos olhos do líder russo e viu a alma dele.

McCain disse que viu as letras K G B. E o que a presidente Palin veria dentro dos olhos de Putin? Talvez Woody Allen arrisque um palpite.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG