Gustav assusta Nova Orleans, mas não deixa vítimas

Gustav atingiu nesta segunda-feira a costa americana do Golfo do México, ameaçando os diques de Nova Orleans, mas sem deixar vítimas, três anos após a devastação provocada por outro furacão, Katrina.

AFP |

Gustav tocou a terra como furacão da categoria 2, com ventos de 175 km/h, e três horas depois caiu para o nível 1, com menor força, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC).

"Não temos, até o momento, qualquer morte em Nova Orleans ligada à passagem do furacão", disse Heather Hilliard, do centro de operações de emergência da cidade.

Nova Orleans emitiu uma ordem de evacuação obrigatória diante da aproximação de Gustav, mas a polícia calcula que ao menos 10 mil pessoas ficaram na cidade.

No total, dois milhões de pessoas saíram de Nova Orleans antes da chegada do Gustav.

Dois diques transbordaram na tarde de hoje no sudeste de Nova Orleans devido à elevação das águas pelas chuvas que acompanham Gustav.

Bill Nungesser, que dirige a paróquia de Plaquemines, um subúrbio do sudeste de Nova Orleans, exortou os moradores a evacuarem imediatamente a área.

Mais tarde, ele destacou em declarações à rede CNN que dois diques estavam transbordando e que um deles podia ceder "a qualquer momento".

Em agosto de 2005, Nova Orleans foi devastada pelo furacão Katrina, principalmente devido às inundações provocadas pela ruptura de diques.

O prefeito da cidade, Ray Nagin, advertiu que "ainda não estamos fora de perigo". "Nos resta um momento crítico durante esta noite".

A maior parte de Nova Orleans estava sem eletricidade e três grandes embarcações ficaram a deriva no chamado Canal Industrial, colocando em risco as paredes de um dique, mas foram controladas pela Guarda Costeira.

Nagin concederá uma entrevista coletiva nesta terça-feira, às 08h00 local (09h00 Brasília), quando apresentará um panorama completo sobre os efeitos da passagem de Gustav.

O toque de recolher instituído em Nova Orleans no domingo era mantido, e qualquer pessoa que permanecer nas ruas da cidade entre o anoitecer e o amanhecer poderá ser presa e considerada suspeita de roubo.

"A ordem de evacuação continua vigente. As pessoas que permaneceram na cidade de Nova Orleans (...) estão sujeitas à prisão se estiverem fora de suas propriedades", destacou o gabinete do prefeito.

"Os saqueadores irão diretamente para a cadeia", advertiu Nagin no domingo, ao anunciar o toque de recolher.

A Guarda Nacional enviou centenas de homens à região de Nova Orleans, que junto com policiais da corporação local, estão encarregados de proteger a cidade e seus subúrbios.

O presidente George W. Bush, que viajou a Austin (Texas) hoje para verificar de perto a resposta do governo à crise, disse que a coordenação dos trabalhos de socorro diante do Gustav está muito melhor do que há três anos, quando ocorreu a tragédia do Katrina.

Um assessor de Bush advertiu sobre a fragilidade do sistema de diques de Nova Orleans e disse que não há desculpas para quem decidiu ficar na cidade.

As instalações petrolíferas da região do Golfo do México, que concentram um quarto da produção dos EUA, foram totalmente fechadas devido à chegada de Gustav.

Além disso, Gustav atrapalhou completamente a programação da convenção republicana, que começou hoje em St Paul (Minnesota, norte) para lançar John McCain como candidato à Casa Branca.

Gustav deixou 77 mortos, oito desaparecidos e 36 feridos no Haiti na semana passada, após destruir mais de 3 mil casas, danificar outras 11 mil e desabrigar cerca de 15 mil famílias.

chl/lm/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG