Gustav ameaça Cuba e EUA após matar 85 no Caribe

O furacão Gustav, que deixou 85 mortos em sua passagem pelo Caribe, ameaça agora a ilha de Cuba, o Golfo do México e o sul dos Estados Unidos, segundo os serviços meteorológicos.

AFP |

No Haiti, o furacão provocou 66 mortos, 10 desaparecidos e 27 feridos, informou a Defesa Civil haitiana.

Na República Dominicana, Gustav matou oito pessoas, todos membros de uma mesma família, e na Jamaica, o furacão deixou 11 mortos, segundo as autoridades.

Gustav destruiu casas, escolas, estradas e deixou sob as águas dezenas de cidades do Haiti, onde mais de 8 mil pessoas ainda permanecem nos abrigos provisórios montados pelo governo.

As agências da ONU estão distribuindo alimentos e outros gêneros para os atingidos.

Na Jamaica, o governo informou que há entre 3.500 e 4.000 desabrigados, e que muitos resistem a voltar para suas casas, que foram inundadas.

Gustav chegou à ilha de Hispaniola, compartilhada por Haiti e República Dominicana, como furacão, mas em seguida perdeu força e se transformou em tempestade tropical.

Nesta sexta-feira, Gustav voltou a ganhar força e recuperou a categoria de furacão, de nível 1 na escala escala Saffir-Simpson (de 1 a 5).

Às 24H00 GMT (21H00 Brasília), o centro de Gustav estava 145km a leste das Ilhas Cayman e a 585km a sudeste do extremo oeste de Cuba, com ventos de 130 km/h, segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC), baseado em Miami (Flórida).

O furacão se desloca a 19 km/h e deve chegar às Ilhas Cayman durante esta noite, próximo a costa oeste de Cuba, para atingir o sul do Golfo do México na noite de sábado ou manhã de domingo.

Segundo o NHC, Gustav pode se transformar em um furacão mais forte e atingir a categoria 3 (com ventos superiores a 178 km/h) nas próximas horas.

Gustav deve atingir a Louisiana, no sul dos Estados Unidos, na segunda ou terça-feira, três anos após o desastre provocado pelo furacão Katrina.

Nesta sexta-feira, o presidente George W. Bush declarou estado de emergência na Louisiana, prevendo a chegada de Gustav, o que possibilitou desbloquear ajudas federais para possíveis vítimas.

Várias petroleiras evacuaram seu pessoal das plataformas do Golfo do México, onde 26% do petróleo americano é produzido. As atividades de exploração foram interrompidas.

afp/tt/sd/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG