Guaviare: cenário do resgate de 15 reféns da guerrilha colombiana

O departamento do Guaviare, com 42.327 km2 cobertos por selvas e plantações de coca no sudeste da Colômbia, foi cenário nesta quarta-feira do resgate de 15 reféns da guerrilha das Farc, entre eles Ingrid Betancourt e três americanos.

AFP |

A libertação ocorreu cerca de 70 km ao sul da cidade de San José del Guaviare, capital do departamento, em uma paragem no rio Apaporis, em uma operação realizada por um destacamento de elite das Forças Armadas colombianas, segundo o ministro da Defesa, Juan Manuel Santos.

Foi nesse território que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) entregaram no dia 27 de fevereiro e em 10 de janeiro seis reféns a uma delegação enviada pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez.

Também foi em um de seus municípios, El Retorno, que guerrilheiros das Farc deixaram aos cuidados de um camponês o pequeno Emmanuel, filho nascido em cativeiro de Clara Rojas, uma das ex-reféns libertadas pelas Farc.

Em março, moradores da região asseguraram ter visto a refém franco-colombiana Ingrid Betancourt em estado muito grave, o que levou a França a enviar uma missão humanitária.

San José del Guaviare é uma cidade de 65.000 habitantes fundada nos anos 30 por colonos, e que viveu relativa prosperidade nas duas últimas décadas com a proliferação dos cultivos cocaleiros.

Os reféns resgatados foram levados em um helicóptero militar para o aeroporto de San José del Guaviare, onde embarcaram em um avião, indicou Santos.

Além da capital e El Retorno, na região existem apenas outros dois centros urbanos, Calamar e Miraflores, ligados por menos de 200 km de estradas mal conservadas.

Nos últimos anos, uma grande mobilização militar contra a guerrilha foi registrada no Guaviare, com pelo menos 7.000 homens apoiados por aviões de combate.

Em setembro, o Exército matou no Guaviare Tomás Medina, o "negro Acacio", um dos principais líderes das Farc.

Acacio coordenava, segundo as autoridades colombianas, os contatos com grupos de traficantes no Brasil e o envio de drogas em uma ampla região que abarca desde Suriname e Venezuela até o Peru.

bur-hov/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG