Ibrahim Al Qosi declarou ter trabalhado entre 1996 e 2001 como motorista, cozinheiro e assistente de Bin Laden

O ex-motorista de Osama Bin Laden, o sudanês Ibrahim Al-Qosi, foi condenado nesta quarta-feira a 14 anos de prisão, na primeira sentença emitida desde que o presidente Barack Obama restabeleceu os tribunais militares de exceção, em Guantánamo.

Ibrahim Al Qosi declarou ter trabalhado entre 1996 e 2001 como motorista, cozinheiro e assistente de Bin Laden, chefe da rede terrorista da Al-Qaeda, que assumiu os ataques do 11 de Setembro de 2001 contra Washington e Nova York.

Os tribunais de exceção foram criados durante o governo George W. Bush para os prisioneiros da "guerra contra o terrorismo", lançada no Afeganistão, em busca de Osama bin Laden, a quem o então regime da milícia islâmica afegã do Taleban dava refúgio, segundo os Estados Unidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.