Grupos pró-Ouattara trocam tiros na Costa do Marfim

Incidente ocorreu entre soldados que vieram do norte do país eum grupo chamado 'Comando Invisíveis'

BBC Brasil |

selo

Soldados leais ao novo presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, trocaram tiros nesta quinta-feira com um grupo armado, também simpatizante do líder, na maior cidade do país, Abidjan. O incidente ocorreu entre os soldados que vieram do norte do país e um grupo chamado Comandos Invisíveis, que controla áreas de Abidjan.

Este foi o incidente que demonstrou mais explicitamente as divisões entre as forças de coalizão que levaram Ouattara ao poder na semana passada. De acordo com o correspondente da BBC na cidade John James, os disparos ocorreram na região norte de Abidjan e duraram menos de 30 minutos, mas causaram pânico entre os moradores.

James acrescenta que as forças partidárias do ex-presidente Laurent Gbagbo continuam no comando de algumas áreas da cidade como, por exemplo, o bairro de Yopougon, no oeste de Abidjan. Mas, aos poucos, a estabilidade está voltando à maior cidade do país, que enfrentou várias semanas de batalhas intensas.

Gbagbo foi capturado na semana passada após uma investida militar na residência presidencial na cidade. Ele ficou cercado durante uma semana por forças leais a Ouattara, que foi reconhecido internacionalmente como o vencedor das eleições presidenciais de novembro.

Ex-guarda-costas

As forças leais a Ouattara cruzaram o país no mês passado, a partir de suas bases na região norte, depois de três meses de impasse político gerado pela recusa de Gbagbo em deixar o poder. Os soldados vieram de um grupo de ex-rebeldes chamado Novas Forças, que, durante quase uma década, controlaram a metade norte da Costa do Marfim.

Em Abidjan este grupo se juntou a um ex-comandante rebelde Ibrahim Coulibaly, que liderou o grupo Comandos Invisíveis para ganhar o comando da metade norte de Abidjan nas semanas anteriores à grande ofensiva contra Gbagbo. Coulibaly era guarda-costas de Alassane Ouattara e agora quer reconhecimento por sua participação na derrubada de Gbagbo.

Mas, as forças lideradas por Coulibaly são acusadas da maior parte dos saques contra empresas e veículos na última semana e também de cobrar taxas dos motoristas que usam a estrada norte de Abidjan, segundo o correspondente da BBC . Já ocorreu outro incidente entre as forças pró-Ouattara, na quarta-feira, um tiroteio no porto de San Pedro, sudoeste do país.

A Costa do Marfim está tentando retomar sua economia depois dos meses de impasse e o governo afirmou que escolas e bancos deverão reabrir na próxima semana. Mas, segundo John James, estes incidentes vão aumentar ainda mais o temor de que o país permanece inseguro.

    Leia tudo sobre: internacionalCosta do Marfim

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG