NOVA YORK - Os dez homens que atacaram Mumbai pertenciam a um grupo de 30 recrutas escolhidos para missões suicidas, segundo uma reportagem do jornal The New York Times, que disse que o paradeiro dos outros 20 ainda é desconhecido.

A Índia não tem motivo para acreditar que os outros 20 homens estejam dentro de seu território, mas isso é uma possibilidade, disse Deven Bharti, vice-comissário de polícia de Mumbai, segundo a edição de terça-feira do jornal.

"Outros 20 estão prontos para morrer", disse Bharti. "Essa é a parte mais perturbadora".

Essa foi a primeira vez que a polícia indiana revela um número maior de recrutas suicidas do Lashkar-e-Taiba, grupo militante paquistanês. Eles dizem que somente 10 homens participaram dos ataques em Mumbai, que mataram 171 pessoas entre 26 e 29 de novembro e despertaram tensões entre a Índia e o Paquistão, vizinhos que têm armas nucleares.

As informações sobre os outros recrutas vieram do único atirador sobrevivente, Mohammed Ajmal Kasab, que foi preso durante os ataques e permanece sob custódia da polícia desde então.

Os 30 recrutas receberam treinamento altamente especializado, incluindo habilidades de combates marinhos, segundo Bharti.

Assim que os líderes de Lashkar selecionaram Kasab e seus nove companheiros, eles foram mantidos em uma casa por três meses e, então, divididos em duas equipes. Cada uma delas tinha um alvo diferente em Mumbai e as informações que cada equipe recebia não podia ser passada a outra, segundo Bharti.

Eles nunca mais viram os outros 20 recrutas, disse Bharti ao New York Times, citando os relatos de Kasab.

Leia mais sobre ataques em Mumbai

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.