Vítimas trabalhavam em construtora chinesa. Outros quatro vigias ficaram feridos

Um grupo rebelde sequestrou 21 trabalhadores chineses e 14 sudaneses de uma empresa construtora na província sudanesa de Cordofão do Sul, em um episódio no qual morreu um guarda e outros quatro ficaram feridos, informou neste domingo o governador da área, Ahmad Harun.

Os autores do sequestro são membros do Movimento Popular para a libertação do Sudão/Setor Norte (MPLS-N), o galho nortista do grupo que governa a República do Sudão do Sul. Harun afirmou durante uma entrevista coletiva em Kaduqli, a capital de Cordofão do Sul, que os insurgentes invadiram no sábado as instalações de uma construtora chinesa, entre duas cidades do nordeste da província.

Em declarações à agência de notícias oficial sudanesa, "Sunna", o prefeito de uma das cidades afirmou que pelo menos um guarda que vigiava as instalações morreu e outros quatro ficaram feridos. Ele acrescentou que os rebeldes se retiraram da região com a chegada de unidades militares.

Um porta-voz do MPLS-N afirmou em comunicado que suas forças detiveram 29 cidadãos chineses após um enfrentamento com o Exército no sábado. Ele afirmou também que foram capturados nove membros das forças governamentais sudanesas durante esses choques.

Cordofão do Sul é palco desde junho do ano passado de combates entre as forças do Governo de Cartum e os rebeldes do MPLS-N. A província tem grande valor estratégico no Sudão, já que é a mais rica em petróleo desde a cisão com o Sudão do Sul, em 9 de julho de 2011.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.