Grupo radical Abu Sayyaf seqüestra três pessoas no sul das Filipinas

Manila, 21 jul (EFE).- O grupo radical islâmico Abu Sayyaf seqüestrou três pessoas na província de Basilan, no sul das Filipinas, e ameaçou gerar mais violência caso os cristãos desta zona, de maioria muçulmana, não se convertam ao Islã, informaram hoje fontes policiais.

EFE |

Ronillo Ando, de 38 anos, seu filho de 14 anos e Wilma Magno, diretora de uma cooperativa agrária, foram seqüestrados ontem, em uma aldeia de Basilan, assinalou o diretor da Polícia da Região Autônoma do Mindanao Muçulmano, Joel Goltiao.

Goltiao revelou que os três viajavam em um jipe por uma estrada da ilha de Basilan quando foram abordados por um homem armado.

O seqüestro aconteceu 24 horas depois que um grupo de policiais e fuzileiros navais resgatou dois funcionários da empresa de telecomunicações Globe Telecom tomados como reféns pelo Abu Sayyaf na mesma província.

O Abu Sayyaf, considerado terrorista pelos Estados Unidos e pela União Européia, segue cometendo seqüestros e atentados para reivindicar a criação de um Estado islâmico independente no sul do arquipélago.

O Exército filipino continua vendo o grupo como uma ameaça, apesar de as forças de segurança terem atingido sua capacidade operacional e cortado suas vias de financiamento do exterior.

Fundado em 1991, por ex-combatentes da guerra do Afeganistão contra a União Soviética, o Abu Sayyaf está ligado ao grupo Jemaah Islâmica, considerado o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático. EFE rp/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG