Grupo islâmico reivindica autoria de atentado na cidade indiana de Jaipur

(Atualiza com novas investigações policiais e visita de Gandhi) Nova Délhi, 15 mai (EFE).- O desconhecido grupo Indian Mujahedin reivindicou em um vídeo o atentado que matou na terça-feira 63 pessoas na cidade indiana de Jaipur, informaram fontes policiais.

EFE |

O e-mail tem uma mensagem e três vídeos de curta duração gravados com a câmera de um telefone celular, que mostram imagens de uma bicicleta com uma bolsa azul, onde estaria a bomba.

"Não temos nenhuma pista sobre a autenticidade do vídeo. Estamos investigando seu conteúdo", disse à Agência Efe o superintendente da Polícia de Jaipur, Raghvendra Suhasa, contatado por telefone.

O inspetor chefe da Polícia de Jaipur, Pankaj Singh, disse que ainda precisa ser determinado se o conteúdo do e-mail é "crível e relevante" para a investigação.

No e-mail, o grupo exige que a Índia pare seu apoio aos EUA se não quiser "enfrentar mais ataques em outros lugares turísticos importantes", segundo a agência indiana "PTI".

"Jaipur foi atacada para destruir a indústria do turismo", afirmou o grupo.

"Isso é uma clara advertência para vocês (Estados Unidos e Reino Unido)", diz a mensagem, alertando que "não enviem sua gente à Índia e, se fizer isso, sua gente será recebida por nossos atacantes suicidas", acrescenta a mensagem.

Entre as vítimas do atentado da terça-feira, não havia nenhum estrangeiro, mas o ocorrido fez as autoridades temerem uma onda de cancelamentos de viagens ao turístico Rajastão.

O grupo terrorista disse que tem três brigadas preparadas para atacar.

Um especialista em organizações terroristas consultado pela Efe não deu muita credibilidade à reivindicação e disse que "Indian Mujahedin" é um "rótulo genérico" que não corresponde a um grupo em particular.

Segundo a fonte, a intenção do e-mail pode ser confundir os investigadores.

A Polícia determinou que o e-mail foi enviado ontem à noite de um cibercafé da cidade de Ghaziabad, vizinha a Nova Délhi, usando uma conta de e-mail "Yahoo!" criada ontem mesmo, segundo a "PTI" e a "Ians".

Segundo a "NDTV", o Indian Mujahedin é o mesmo grupo que reivindicou por e-mail as explosões que atingiram em novembro do ano passado as cidades de Lucknow, Faizabad e Benares, que causaram a morte de 13 pessoas.

Jaipur recebeu hoje a visita da líder do governamental Partido do Congresso, Sonia Gandhi, e do ministro do Interior indiano, Shivraj Patil, que foram ao local do atentado e aos hospitais para mostrar solidariedade às vítimas.

Um dos feridos no ataque morreu nesta madrugada, o que eleva o número de mortos para 64, informou um porta-voz de um dos hospitais de Jaipur. Outras 166 pessoas continuam internadas em dois centros médicos da cidade, seis delas em estado crítico. EFE daa/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG