Grupo de Murdoch fecha acordo milionário com vítima de escutas

News International anunciou que pagará uma indenização de US$ 3,1 milhões à família de adolescente assassinada

iG São Paulo |

AP
Milly Dowler, em foto sem data
O grupo de Rupert Murdoch, dono do extinto News of the World, afirmou nesta sexta-fera que pagará 2 milhões de libras (US$ 3,1 milhões) de indenização à família da jovem assassinada Milly Dowler, vítima das escutas ilegais do semanário , anunciaram as partes em comunicado.

Murdoch também doará pessoalmente mais 1 milhão de libras (US$ 1,55 milhão) para seis instituições beneficentes escolhidas pela família Dowler, segundo acordo financeiro fechado entre a subsidiária britânica da News Corp , a News International, e os pais da jovem.

A notícia havia sido divulgada em setembro pela rede de TV Sky News, propiedade da News Corp., mas, somente agora, foi confirmada pelas partes. O anúncio foi feito antes do encontro anual da News Corp na sexta-feira em Los Angeles, em que a questão das escutas feitas pelo News of the World deve alimentar os pedidos de alguns investidores pela saída de Murdoch.

A antiga publicação é acusada de ter grampeado o telefone de Milly Dowler , 13 anos, que desapareceu em 2002 e foi encontrada morta seis meses depois. Além de ter tido acesso à caixa de mensagens da jovem, um detetive que trabalhava para o jornal sensacionalista é acusado de ter apagado recados, fazendo a família de Milly acreditar que ela ainda pudesse estar viva.

Um ex-segurança de um clube noturno foi sentenciado à prisão perpétua no início deste ano por tê-la matado.

"Nada do que foi acertado vai nos devolver a Milly ou eliminar o trauma da sua morte", dizem os pais da jovem no comunicado. "A única forma de se fazer uma homenagem adequada era garantindo que houvesse uma doação significativa em memória de Milly."

No comunicado, Murdoch também repudia a ação de seu extinto jornal. "A conduta do News of the World junto aos Dowler foi repugnante, e espero que essa doação comprove meu pesar pelo papel da empresa nesse acontecimento terrível."

As revelações sobre Milly Dowler, uma das cerca de 4 mil pessoas que tiveram seu telefone grampeado pelo semanário, deixaram os britânicos indignados, e levaram ao fechamento do News of the World no último dia 7 de julho.

Esse foi o maior acordo já pago pelo News International, responsável pelos jornais britânicos da News Corp, no escândalo de escutas ilegais. A empresa já fez acordos financeiros com as vítimas das escutas telefônicas, incluindo a atriz Sienna Miller, que recebeu 100 mil libras.

James Murdoch , filho de Rupert e presidente da News Corp., aprovou em 2008 um acordo de mais de US$ 1 milhão para ajudar a resolver acusações sobre a prática de escuta telefônica do tablóide. Ele irá testemunhar perante o Parlamento pela segunda vez no próximo mês para tratar de questões sobre esse pagamento. Vários ministros sugerem que ele fez parte de uma operação intencional para cobrir a prática de 'hackeamento' de celulares.

Em seu primeiro depoimento , James afirmou não ter conhecimento que o grampo era uma prática generalizada no News of the World. Mas executivos afirmam ter informado James de que as escutas telefônicas foram além do trabalho de um repórter isolado e de um investigador particular que a empresa havia contratado na época.

Com AFP e Reuters

    Leia tudo sobre: murdochnews of the worldnews internationalescutas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG