Grupo de islamitas admite ter planejado atentados contra aeroportos alemães

Berlim, 11 ago (EFE).- O chamado quarteto de Sauerland planejou os atentados contra os aeroportos de Düsseldorf e Dortmund, na Alemanha, admitiu hoje o germânico-turco Adem Yilmaz, um dos acusados no julgamento por terrorismo islâmico.

EFE |

Depois da ampla confissão, na segunda-feira, do suposto líder do grupo, Fritz Gelowicz, Yilmaz confessou hoje e reafirmou seu apoio à Jihad islâmica (Guerra Santa) e assegurou que seu objetivo é a morte do mártir.

"A morte do mártir continua sendo meu objetivo, nada mudou a respeito", disse Yilmaz, após assegurar que o plano de atentado contra os aeroportos não queria deixar vítimas, mas paralisar o tráfego aéreo.

"Não queríamos causar danos a inocentes, pois também poderia haver afetado muçulmanos. Isso é algo que não queríamos", explicou Yilmaz, que afirmou que a ideia era provocar explosões leves.

Por sua parte, Gelowicz, que compareceu hoje pela segunda vez consecutiva, tentou tirar a culpa dos outros dois membros do grupo, ao afirmar que os líderes do quarteto eram apenas ele e Yilmaz.

"Eu e Adem estávamos por trás da operação. Schneider não tanto, nem Selek, apesar de nos ter dado o detonador", disse o suposto líder em alusão a Daniel Schneider e Atila Selek, os outros dois processados.

Gelowicz, de 29 anos e convertido ao Islã quando tinha 16, se descreveu como muçulmano religioso e assegurou que os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos o fizeram se empenhar mais em sua religião e, embora a princípio tenha rejeitado o ataque contra as Torres Gêmeas, acabou o apoiando.

Durante seu primeira comparecimento, na segunda-feira, Gelowicz admitiu que planejou os atentados contra os alvos dos EUA na Alemanha, após passar por um campo de treinamento da Al Qaeda no Paquistão.

O julgamento contra o quarteto foi aberto em abril e, depois de semanas se negando a confessar, Yilmaz anunciou sua disposição de entregar uma confissão completa diante do "aborrecimento" gerado pelo processo. EFE ih-gc/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG