Miami, 21 jan (EFE).- Um grupo de 80 órfãos haitianos que serão entregues à adoção chegou hoje ao aeroporto internacional de Miami (Flórida), onde foram recebidos pelas autoridades e os futuros pais adotivos americanos.

Os órfãos partiram à meia-noite de ontem de Porto Príncipe para Miami.

Funcionários da alfândega e do aeroporto e agentes da Patrulha de Fronteira dos Estados Unidos carregaram nos braços os menores até o local onde estavam as famílias adotivas.

As 80 crianças haitianas, do orfanato "God's Littlest Angels" de Porto Príncipe, voaram acompanhados da diretora do centro, Dixie Bickel, que estava visivelmente emocionada.

"Graças (aos EUA e aos pais adotivos) conseguimos tirar essas crianças de lá", disse aos jornalistas tentando controlar as lágrimas.

Explicou que algumas crianças "estão doentes pelo pó que respiraram" por causa do terremoto de 12 de janeiro no Haiti.

Bickel apontou que o grupo de órfãos entrou com os vistos humanitários concedidos pelos Estados Unidos.

O trâmite de adoção dos órfãos estava prestes a ser concluído, em alguns casos após vários anos, quando ocorreu o terremoto.

Dos 80 órfãos, 58 entrou nos Estados Unidos por meio do programa de Bethany Christian Services, a maior organização de adoção americana.

No aeroporto, Kevin Downes, que carregava nos braços seu filho adotivo Benicio, de 21 meses, disse estar cansado pela espera, mas feliz por ter recebido o filho.

Downes, que mora em Fresno (Califórnia) com sua mulher, disse que a adoção de Benicio e de todos os órfãos significava a realização de um sonho às famílias ali presentes.

A diretora do orfanato ressaltou que a situação que estremece o Haiti é "crítica, pior do que mostram as fotos" e a população precisa urgentemente de água, alimentos e doações.

Em 19 de janeiro, as autoridades americanas transferiram do Haiti para Pittsburg (Pensilvânia) 53 crianças do orfanato Bresma de Porto Príncipe, onde estavam 130 meninos e meninas.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância indica na Internet que antes do terremoto havia no Haiti 380 mil crianças em orfanatos e albergues.

A Arquidiocese de Miami anunciou um programa para trazer aos EUA os órfãos em uma operação similar a "Pedro Pan", que permitiu a retirada de 14.048 crianças de Cuba na década de 60.

O terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o Haiti ocorreu às 19h53 de Brasília do dia 12 de janeiro e teve epicentro a 15 quilômetros da capital, Porto Príncipe.

Em declarações à Agência Efe, o primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, disse que o número de mortos superará 100 mil.

Pelo menos 21 brasileiros morreram na tragédia, sendo 18 militares e três civis, entre eles a médica Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, e Luiz Carlos da Costa, o segundo civil mais importante na hierarquia da ONU no Haiti. EFE emi/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.