Gripe suína faz governo chinês recomendar que mulheres atrasem planos de gravidez

PEQUIM - O Ministério da Saúde da China editou um guia de prevenção da gripe A para grávidas - um dos grupos de maior risco - no qual recomenda que as mulheres do país atrasem seus planos de ter filhos até que se reduza o alerta pelo vírus.

EFE |

O guia, destacou o diário ""Xin Beijing"", afirma que as mulheres grávidas que venham a contrair o vírus têm mais chances de ver seus casos se tornarem graves, e inclusive de afetarem o processo de gestação, pois já houve casos de partos prematuros ou abortos de mulheres chinesas com o vírus.

O texto, disponível desde quarta-feira, lembra que 13% das mortes por gripe A na China foram de mulheres grávidas.

Às já grávidas, o documento recomenda tratamento com os medicamentos adequados (como o Tamiflu) no caso de apresentar sintomas gripais, e inclusive assinala que em casos graves "deve ser considerada a opção de suspender a gravidez".

As grávidas estão incluídas nos cerca de 130 milhões de chineses que receberam ou receberão a vacina contra a doença, embora o guia recomende também que se inoculem os familiares das gestantes, além daqueles que cuidem delas durante o processo de gestação.

Leia mais sobre: China

    Leia tudo sobre: chinagravidezgripe suína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG