Os Estados Unidos podem se preparar para casos mais graves de gripe suína, uma doença que pode ter causado quase 150 mortos no México, segundo as autoridades sanitárias americanas, que contaram nesta segunda-feira 40 pessoas infectadas.

"Estamos atentos ao surgimento de novos casos nos Estados Unidos. Trata-se, obviamente, de um motivo de preocupação", declarou o presidente americano, Barack Obama, em discurso na Academia Nacional das Ciências, em Washington. "Contudo, não há motivo para entrar em pânico", ponderou.

Os Estados Unidos, onde 40 casos foram confirmados nesta segunda-feira em cinco estados diferentes, decretaram domingo estado de emergência sanitário, e exames médicos foram instaurados nas fronteiras. As pessoas apresentando sintomas de gripe serão isoladas, anunciou a secretária da Segurança Interna, Janet Napolitano.

A passagem de 20 para 40 casos nos Estados Unidos não se deve a uma propagação da doença, mas a um modo de detecção mais apurado, destacaram as autoridades sanitárias, que vão distribuir 11 milhões de tratamentos antivirais procedentes dos estoques federais nos estados atingidos.

Vinte e oito casos, sendo 20 novos, foram confirmados em uma escola particular de Nova York, informou nesta segunda-feira o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, ressaltando que se trata de um foco único de infecção. É provável que outros 17 estudantes desta escola também tenham contraído o vírus.

Um novo caso suspeito foi detectado nesta segunda-feira no Michigan (norte dos EUA).

As 20 primeiras pessoas afetadas pelo vírus nos Estados Unidos - oito em Nova York, sete na Califórnia (oeste), dois no Texas (sul), dois em Kansas (centro) e um em Ohio (norte) - já se recuperaram e passam bem.

Entretanto, Richard Besser, diretor do Centro americano de Controle e de Prevenção das Doenças, avisou nesta segunda-feira que pode haver casos mais graves e até mortes.

"As pessoas têm que se preparar para o surgimento no país de mais casos graves, inclusive de mortes. Estamos muito preocupados, e por isso tomamos medidas enérgicas", afirmou.

Besser recomendou à população que evite qualquer contato com as pessoas infectadas, que lave as mãos com frequência e que deixe de ir para o trabalho ou a escola assim que sentir os primeiros sintomas de gripe.

O presidente Obama ressaltou que está monitorando atentamente a situação, e prometeu que seu governo manterá os americanos informados.

Besser, que considerara "injustificada" a recomendação feita pela União Europeia a seus cidadãos de não viajar aos países afetados, inclusive aos Estados Unidos, frisou que Washington emitirá "novas advertências às pessoas que pretendem viajar ao México".

Sem restringir os deslocamentos, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediu nesta segunda-feira maior prudência aos americanos que cruzarem a fronteira.

O secretário da Agricultura, Tom Vilsack, garantiu que o porco americano nada tem nada a ver com a epidemia.

O consumo de carne de porco não apresenta riscos para a saúde, já que a temperatura do cozimento destrói vírus e bactérias.

A vacina contra a gripe humana não protege da gripe suína.

bur/yw/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.