Gripe pode forçar Vaticano a suspender grandes eventos

Cidade do Vaticano, 24 jul (EFE).- O Vaticano está disposto a suspender concentrações maciças de pessoas se considerar que a expansão da gripe suína pode pôr em risco a saúde dos habitantes do Estado e do próprio papa.

EFE |

Assim assegurou hoje o professor Giovanni Rocchi, diretor de Saúde e Higiene do Estado da Cidade do Vaticano, que disse que a gripe "não assusta" por enquanto.

Segundo ele, porém, "pouco alarmismo" não significa que o Vaticano não esteja se preparando para enfrentar o novo vírus.

"Nenhum alarmismo, mas só uma séria, equilibrada e atenta observação das informações que chegam da Organização Mundial de Saúde (OMS)", afirmou Rocchi ao jornal local "L'Osservatore Romano".

Rocchi disse que a única forma de prevenção no momento é a simples observação dos padres e fiéis que chegam de países em risco e que apresentem sinais da doença.

O Vaticano não adotou, por enquanto, medidas em eventos como as audiências públicas do papa de quarta-feira, que costumam receber milhares de fiéis de todo o mundo.

"Isso não significa que encaramos a pandemia superficialmente e, caso a OMS o aconselhe ou sejam adotados procedimentos precisos na Itália, o Vaticano poderia suspender momentaneamente eventos de massas", explicou Rocchi.

Rocchi disse que o Vaticano, como todos os anos, fará o ciclo de vacinação no outono (hemisfério norte) para enfrentar a gripe e que, uma vez que comece a ser distribuída a nova vacina da gripe, proporá uma segunda rodada.

No Estado da Cidade do Vaticano, o menor do mundo com apenas 2 quilômetros quadrados, trabalham 1.894 pessoas. EFE JL/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG